As novas regras do Euromilhões

Novo jogo que lhe está associado é obrigatório. Cada aposta fica mais cara

As novas regras do Euromilhões foram hoje publicadas em Diário da República prevendo um aumento de 50 cêntimos em cada aposta a partir de 24 de setembro e a obrigatoriedade de participação no Totosorteio, um novo jogo social.

O Totosorteio é um novo jogo social do Estado no qual o número a ser sorteado em cada concurso corresponde, necessariamente, a um número efetivamente atribuído a uma das apostas realizadas.

Numa fase inicial, este jogo será explorado em conjunto com o Euromilhões. A participação no Euromilhões implica assim que se jogue no Totosorteio. Do mesmo modo, a participação no Totosorteio só será possível com pelo menos uma aposta no Euromilhões.

O regime jurídico do novo jogo social sobre sorteio de números, que será explorado em conjunto com o Euromilhões pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e que foi aprovado em Conselho de Ministros a 28 de julho, saiu hoje em Diário da Republica e entrará em vigor a 24 de setembro.

A criação deste novo jogo, segundo anunciado então pelo Governo, pretende "combater a oferta ilegal que se verifica existir neste tipo de sorteios de números, assim como equiparar as regras nacionais do jogo Euromilhões às restantes Lotarias da União Europeia.

Segundo o regime jurídico, "a participação no Euromilhões implica a participação no 'Totosorteio' e a participação no 'Totosorteio' implica a participação no Euromilhões".

O novo jogo consiste num sorteio de números em que, pelo preço de 0,30 euros por aposta, além do valor da aposta no Euromilhões - que será atualizada para 2,20 euros (o total da aposta passará para 2,50 euros) - os apostadores portugueses ficam habilitados, semanalmente, a um prémio garantido no valor de um milhão de euros.

O primeiro sorteio do novo jogo, associado ao Euromilhões, irá realizar-se no dia 30 de setembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?