"Arranjem espaço para o bebé". Veja como o corpo muda na gravidez

Imagens interativas mostram como os órgãos e o corpo da mulher se comportam durante a gestação

O Museu da Ciência e da Indústria de Chicago, Estados Unidos, divulgou um vídeo interativo que revela como o corpo de uma mulher muda durante a gravidez. As imagens de "Make Room for Baby" (Arranjem espaço para o bebé, numa tradução literal) mostram como os órgãos mudam de posição e tamanho à medida que o bebé cresce.

Na animação, é possível ver o desenvolvimento do feto desde a nona semana de gravidez, perceber como todos os órgãos da mulher se mexem e encaixam no fim do terceiro trimestre, e até como tudo volta ao sítio no pós parto.

O Museu da Ciência e da Indústria lembra assim no site que "o bebé não a único a mudar" durante a gestação.

No segundo trimestre, por exemplo o feto começa a mexer-se e a partir das 17 semanas surgem os desejos. Ao terceiro trimestre o bebé mexe-se 30 vezes por hora, enquanto os órgãos são empurrados e os músculos e articulações ficam mais flexíveis.

No vídeo são ainda mostrados testemunhos reais de mulheres que tiveram filhos. "Com gémeos foi engraçado ver partes de corpos em todo o lado. Eu pensava 'oh meu Deus, há duas cabeças. Isso são muitos braços e muitas pernas'", diz Amy.

"Algo que pesa 900 gramas pode pontapear tanto? Às vezes tira-me o fôlego", conta Shelley.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.