Arqueólogos descobrem ginásio milenar no Egito

Ginásio de influência grega em Wafta inclui "estátuas, uma sala de refeições, um pátio e uma pista de corridas com cerca de 200 metros"

Arqueólogos descobriram perto do Cairo um ginásio com mais de 2.000 anos que prova a influência grega na civilização egípcia, anunciou hoje o ministério das Antiguidades do Egito.

Uma missão científica com investigadores alemães e egípcios descobriu o local em Watfa, a cerca de 80 quilómetros do Cairo, datando-o de há 2.300 anos, durante o período Helénico.

O ginásio consiste de um salão amplo decorado com estátuas, uma sala de refeições, um pátio e uma pista de corridas com cerca de 200 metros.

Em Watfa situou-se a cidade de Philoteris, fundada pelo rei Ptolomeu II, no terceiro século antes de Cristo.

Na Grécia antiga, o ginásio era um espaço em que se realizavam jogos públicos e se fazia vida social.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.