Apostas no Placard limitadas a cinco mil euros por dia

Com a definição um limite diário por jogador, a Santa Casa tem o objetivo de evitar que o Placard seja usado em esquemas fraudulentos de lavagem de dinheiro

A partir de segunda-feira, cada jogador não poderá apostar mais do que cinco mil euros por dia no Placard. Dois anos após o lançamento do jogo de apostas desportivas à cota de base territorial, o Departamento de Jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa decidiu "reforçar a segurança dos seus apostadores e mediadores através de um conjunto de medidas", que inclui também o limite de um talão NIF válido por cada jogador.

Ao impor um limite de apostas diário por jogador, a SCML evita que o jogo seja usado para esquemas fraudulentos, nomeadamente de lavagem de dinheiro. Ao mesmo tempo, passará a haver um único talão NIF válido por apostador do PLACARD, evitando-se desta forma a existência de vários talões por um só apostador, já que terão sido detetadas situações em que o mesmo NIF era usado em várias zonas do país.

" Assim, os talões NIF emitidos pelo terminal de jogo anteriores a 6 de novembro tornar-se-ão inválidos, pelo que todos os apostadores do PLACARD terão de solicitar a emissão de um novo talão NIF, mediante a
apresentação da respetiva identificação, de forma a poderem proceder ao normal registo das
suas apostas neste jogo", disse em comunicado o DJSCML.

De acordo com a mesma fonte, o objetivo é " incrementar, regularmente, mecanismos de controlo e
gestão de segurança dos apostadores, em linha com as melhores práticas internacionais".

Desde que o Placard foi lançado, cerca de 1,3 milhões de jogadores efetuaram apostas desportivas, sendo o futebol a modalidade que mais cativa os portugueses. Até ao passado dia 30 de setembro, representava, aproximadamente 92% das apostas registadas neste ano. Já as novas modalidades, lançadas em maio passado, representam 2,7% do valor total das apostas registadas. A estrela é o Hóquei no Gelo com 44% do total das apostas registadas nestas modalidades, logo seguido do Futsal com 17%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".