Apostou um euro e ganhou 4 mil na Liga dos Campeões

Vencedor apostou em vários jogos da Liga dos Campeões no Placard e acertou no resultado final de todos

Não se sabe quem foi o sortudo que conseguiu ganhar todas as combinações que fez nas apostas no Placard, mas o certo é que com apenas um euro o apostador conseguiu arrecadar quatro mil euros.

O vencedor conseguiu prever os resultados de oito jogos, em três modalidades diferentes de apostas (ao intervalo, tempo regulamentar e vantagem/desvantagem de golos) e terá ido levantar o prémio esta terça-feira, conforme confirmou o DN.

O mais novo jogo da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa conquistou no primeiro ano mais de 920 mil portugueses, que fizeram até dia 31 de agosto cerca de 84 milhões de apostas.

Notícia atualizada às 23.50. Corrigidas as referências ao tipo de apostas exibidas no boletim

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?