Apartamentos turísticos e McDonald's juntam-se a barbearia com 130 anos

Abertura do restaurante de fast-food no coração de Lisboa tem causado indignação, mas no espaço centenário reina o otimismo

"Já não vão voltar para lá?" A pergunta é feita de supetão por um jovem de máquina fotográfica a tiracolo mal entra no espaço que a Barbearia Campos ocupa desde fevereiro do ano passado, na Rua do Loreto. E o "para lá" refere-se ao prédio onde estava instalada desde 1886, no Largo do Chiado, em Lisboa, antes das obras de reabilitação. "Andam a dizer que vai para ali um McDonald"s. Já há petições na internet", conclui o visitante. É Delmar, 66 anos e há mais de 50 ali funcionário, quem esclarece o equívoco: "Voltamos lá para abril." Afinal, o novo restaurante daquela cadeia de fast-food será apenas o seu vizinho e a expectativa até é de que o número de clientes da barbearia aumente.

A contestação explodiu nas redes sociais desde que, no final da semana passada, se espalhou a notícia de que, em breve, vai abrir um McDonald"s no número 4 do Largo do Chiado, mesmo em frente do café A Brasileira. Entre as vozes mais assertivas, esteve Catarina Portas, empresária e proprietária da casa A Vida Portuguesa e de diversos quiosques em Lisboa.

"Já há um McDonald"s no Rossio, outro nos Armazéns do Chiado, temos mesmo de ter outro em frente à Brasileira? Num dos locais mais emblemáticos da cidade? É isso que queremos?", questionou na sexta-feira, em declarações ao jornal Observador, depois de ter publicado no Facebook , acompanhada de um texto crítico, uma fotografia do anúncio presente na estação do metropolitano da Baixa-Chiado que, somente com o símbolo da cadeia de restauração e um fundo ilustrado a replicar um painel de azulejo, avisa que o "Chiado vai ter um gostinho especial".

"O reforço da marca no centro de Lisboa é o resultado da aposta que esta tem vindo a realizar no nosso país", salienta, numa resposta enviada ao DN, a McDonald"s Portugal, adiantado que o novo espaço, com "uma decoração inspirada na cidade de Lisboa", terá dois pisos e 94 lugares sentados e deverá abrir "durante o mês de março".

De acordo com Sérgio Ferreira, presidente do conselho de administração da Coporgest, proprietária do imóvel, o restaurante "ocupará a cave, parte do rés-do-chão e a totalidade do piso 1". "Os restantes pisos darão origem a oito apartamentos destinados a arrendamento turístico da Lisbon Best Apartments, que pertence à Coporgest", acrescenta, salientando que a "Barbearia Campos vai regressar ao seu espaço de sempre na qualidade de arrendatária [que sempre teve] no início de abril próximo (...), em três momentos".

O primeiro acontecerá com "a entrega do espaço ao arrendatário", o segundo com "a instalação por parte da barbearia de alguns equipamentos que são da sua responsabilidade" e o último com a "abertura ao público, que provavelmente ocorrerá em abril ou maio, dependendo da própria barbearia". O valor do aluguer, que o administrador prefere não revelar, será, garante, inferior ao do mercado.
"O facto de a Coporgest aceitar uma renda abaixo dos valores de mercado e de ter suportado os custos de recuperação deste património significa, em termos práticos, que livremente optámos por subsidiar a defesa do património, papel que compete ao Estado e não aos privados. O que deveria acontecer é que o Estado esbanjador que todos alimentamos deixasse de esbanjar em inutilidades e passar a pagar o que é importante", diz.

Barba ainda é cortada à navalha

No espaço da Rua do Loreto que a Barbearia Campos ocupa provisoriamente há mais de um ano, a reabilitação do prédio que antes estaria em risco de colapso é vista com otimismo. "Pensamos que vamos ter mais clientes", afirma Delmar, salientando que parte da sua clientela é estrangeira. "Ainda cortamos a barba à navalha. Eles lá já não têm nada disso", explica, por entre os espelhos e as cadeiras de barbeiro.

Alexandra Dominguez, que observa Delmar a cortar o cabelo ao seu avô, congratula-se, até porque são ali que estão as recordações do idoso: "Hoje, dizia-me que o barbeiro não era para aqui."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).