Aos 30 anos concretiza o sonho de comandar um navio da Marinha

Cátia Pacheco ingressou na Marinha em 2006 e diz nunca ter sentido qualquer discriminação

Aos 30 anos, Cátia Pacheco concretizou o sonho de comandar um navio da Armada Portuguesa, e ao leme da lancha Orion cumpre há um ano a missão de fiscalização, busca e salvamento na costa portuguesa.

"Era um sonho antigo, o qual consegui concretizar dez anos depois de entrar para a Marinha Portuguesa", contou à reportagem da Lusa a oficial tenente Cátia Pacheco, a bordo da lancha Orion, ao largo da costa do Algarve.

O comando do navio da classe Centauro, com 27 metros de comprimento, foi-lhe confiado em 2016, tornando-se numa das oito comandantes de navios atualmente ao serviço da Armada Portuguesa.

"É uma grande honra e sinto-me feliz por ter conseguido esta função aliciante, um objetivo de qualquer oficial da Marinha, o de um dia comandar um navio", sublinhou.

Para Cátia Pacheco, que tem sob o seu comando uma guarnição de sete homens, "a vida de uma mulher na Marinha é normal e igual a outro qualquer trabalho, com as dificuldades normais do dia-a-dia, embora se sinta mais a ausência prolongada de casa".

"Esta missão faz-nos passar longos tempos fora de casa, mas sucede o mesmo noutros empregos, nomeadamente naqueles que são feitos por turnos", referiu a tenente, acrescentando que "os problemas vão-se resolvendo com o auxílio da guarnição".

Cátia Pacheco ingressou na Marinha em 2006 e nunca sentiu qualquer discriminação, motivada pela diferença de sexo, naquele ramo das forças armadas portuguesas, onde predomina o sexo masculino.

"Foi um ingresso pacífico e fui muito bem aceite, até porque já existiam mulheres na Marinha, uma prática comum há 25 anos, desde 1992", destacou.

O facto de ser a única mulher a bordo da embarcação sob o seu comando "não é difícil e até agora tem sido normalíssimo trabalhar e conviver com os homens".

Cátia Pacheco mantém a expectativa de continuar embarcada em unidades navais depois de terminar a missão de comando da lancha Orion em 2018, ficando o futuro entregue à decisão da Marinha.

Além disso, a tenente Cátia Pacheco mantém também o sonho de qualquer mulher: "Casar, ter filhos e, ao mesmo tempo, conciliar a vida familiar com a Marinha".

e acordo com o segundo comandante da Zona Marítima do Sul, Cardoso de Morais, lidar com o sexo feminino "é já uma prática enraizada na forma de estar dos militares da Marinha, não existindo qualquer preconceito ou discriminação".

Na opinião de Cardoso de Morais, a integração das mulheres tem sido feita de forma normal e sem problemas, reconhecendo, no entanto, que "ao início poderá ter existido algum entrave, situação que está ultrapassada nos dias de hoje".

"Não há nenhum problema hoje em dia. O trabalho das mulheres é bem visto, tem sido muito produtivo e profissional", destacou.

De acordo com os dados avançados por Cardoso de Morais, a Marinha tem atualmente 816 mulheres, representando cerca de 10% do efetivo, sendo 40% por cento de praças, 35% oficiais e 25% de sargentos.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.