Ao sol, sem água ou comida, cão atira-se da varanda

Estendal dos vizinhos amparou a queda do animal, que saltou antes de ser possível um resgate

Deixado ao sol, sem água ou comida, um cão na localidade de Polinyà, na Catalunha, saltou de uma varanda, do terceiro andar de um prédio. As autoridades divulgaram o vídeo na página do Facebook para alertar contra os maus tratos e o abandono animal.

"[Partilhamos o vídeo] para continuar os nossos esforços no sentido do esclarecimento da responsabilidade dos proprietários", escreve a polícia.

Moradores do bairro e transeuntes informaram as forças policiais da situação: o cão, que tinha sido mantido ao calor durante várias horas, parecia ter, segundo as testemunhas, "intenção de saltar." Um estendal acabou por prevenir a morte do animal, que se atirou da varanda antes dos bombeiros conseguirem realizar o resgate.

Ainda no local, o cão foi examinado por veterinários que o entregaram às autoridades responsáveis. Entretanto, já foi aberto um processo administrativo, podendo os donos enfrentar algumas penalizações.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.