Volume de água na bacia do Tejo "notavelmente inferior" à média dos últimos anos

A Confederação Hidrográfica do Tejo alerta para a situação de seca

Sofia Fonseca
 | foto Global Imagens
 | foto Confederação Hidrográfica do Tejo

O Volume de água na bacia do Tejo "notavelmente inferior" à média dos últimos anos, segundo um comunicado da Confederação Hidrográfica do Tejo. Num comunicado deste organismo do governo espanhol, a água acumulada na semana passada (entre 12 e 19 de fevereiro) está bastante mais abaixo que a que existia na média dos últimos cinco e até dez anos.

O gráfico apresentado pelo organismo na sua página oficial é bastante mais elucidativo que todos os números que se possam apresentar.

Segundo a Confederação Hidrográfica do Tejo na semana em causa a bacia do Tejo armazenava 4,142 hectómetros cúbicos (hm3) de água, 37,6% da sua capacidade total, o que representa uma situação de estabilidade relativamente à semana anterior.

No entanto, se comparado com dados médios dos últimos cinco e dez anos, o volume de água é bastante inferior ao acumulado na mesma época do ano passado e à média dos últimos cinco e dez anos.

O organismo explica que o volume total de água acumulada é distribuído entre os reservatórios para consumo - em que a a água não retorna ao meio de que foi extraída - e os reservatórios para uso hidroelétrico - em que a água é utilizada para produzir energia, sendo devolvida ao meio.

Entretanto, o ministro do Ambiente português anunciou hoje que o Governo vai lançar uma nova campanha a sensibilizar para a necessidade de poupar água, este ano alargada a todos os utilizadores, dos domésticos, à agricultura e indústria.

"Se no ano passado a campanha foi muito dirigida à falta de água nas torneiras das pessoas, que nunca aconteceu, este ano começamos mais cedo" e a ação de sensibilização "tem de ser dirigida a todos", disse João Matos Fernandes no parlamento.