Mulher, astronauta e recordista em órbita

Por duas vezes comandante da estação espacial internacional ISS, a astronauta Peggy Whitson é a recordista dos Estados Unidos de permanência no espaço: 665 dias. Agora reformou-se

Filomena Naves
© NASA

Ao todo, durante as três missões que fez entre 222 e setembro do ano passado, a astronauta americana Peggy Whitson passou um ano e oito meses (365 dias) em órbita e, por causa disso, ela é a recordista absoluta, entre os astronautas do Estados Unidos, de tempo acumulado passado no espaço.

Este, no entanto, não é o seu único recorde. Durante as três missões de longa duração que cumpriu na estação espacial, Peggy comandou duas delas e, ao todo, fez igualmente 10 saídas para o espaço exterior, num total de 60 horas e 21 minutos fora da casa espacial - é a astronauta mulher com mais tempo acumulado nestas saídas da ISS.

Bioquímica de formação, Peggy Whitson, 58 anos, começou a trabalhar na NASA em 1986, primeiro como investigadora e, desde 1996, como astronauta. Em 2002 partiu pela primeira vez para órbita, a 5 de junho, para uma missão a bordo da ISS que durou até dezembro desse ano, e durante a qual ela foi a cientista chefe da NASA, realizando um total de 21 experiências científicas em condições de microgravidade.

A sua segunda missão a bordo da ISS decorreu entre outubro de 2007 e abril de 2008. Durante esse período, ela foi a comandante da tripulação russo-americana e foi nessa qualidade que supervisionou a ampliação da ISS com dois novos módulos, o laboratório europeu Columbus, e o japonês Kibo, para a logística, e ainda o robô canadiano Dextre. Ela própria participou nas operações no exterior, com várias saídas da ISS.

A sua terceira e última missão, em que foi de novo comandante, decorreu mais recentemente, entre novembro de 2016 e setembro de 2017. Tudo contado, além de ser a recordista absoluta dos Estados Unidos em tempo no espaço. Peggy ocupa a oitava posição nesse ranking global.

Agora a astronauta reformou-se e a NASA não poupou elogios. "A sua determinação, força mental e dedicação à ciência, à exploração e à descoberta são uma inspiração para a NASA e para América", disse o administrador da NASA Jim Bridenstine.