"Há empresas interessadas nos serviços de Vale e Azevedo"

Antigo presidente do Benfica saiu ontem em liberdade condicional da prisão da Carregueira, mas ainda tem outra pena pendente. Advogada diz que já tem propostas de trabalho

Carlos Rodrigues Lima
© Nuno Pinto Fernandes/Globalimagens

Apesar de condenado por burla qualificada, abuso de confiança e branqueamento de capitais, João Vale e Azevedo, antigo presidente do Benfica, tem à sua espera empresas "interessadas nos seus serviços". Quem o garantiu foi Luísa Cruz, advogada de João Vale e Azevedo, que, ontem, com o habitual saco dos pertences, saiu da prisão da Carregueira, em Sintra, em liberdade condicional. À sua espera, além da defensora, estava a sua mulher, Filipa Vale e Azevedo, ao volante de um discreto carro e procurando fugir à atenção dos jornalistas.

Ao fim de quatro anos de cadeia, cinco sextos da pena de onze anos e meio a que foi condenado em cúmulo jurídico - com base nas condenações nos processos Ovchinnikov/Euroárea, Dantas da Cunha e Ribafria, por crimes de burla e apropriação indevida de dinheiro, entre outros ilícitos económicos e financeiros -, o antigo presidente do Benfica, segundo a sua advogada, vai agora "tentar retomar a sua vida profissional e os seus contactos" na área da consultadoria financeira. "As empresas com quem ele trabalhava em termos de consultadoria mantêm o interesse nos seus serviços", assegurou Luísa Cruz, em resposta aos jornalistas à porta da prisão da Carregueira, acrescentando não perceber como é que a atividade de consultadoria financeira, ou jurídica, "pode ser propícia a uma atividade criminosa".

A advogada até fez um paralelismo com a situação do banqueiro Ricardo Salgado, dizendo que eventuais dúvidas sobre a atividade de consultadoria de Vale e Azevedo "é a mesma coisa que o dr. Ricardo Salgado seja proibido de exercer atividades bancárias, [mas] não proíbe certamente de dar pareceres a uma empresa acerca de qualquer situação financeira". O mesmo se aplica ao exercício da consultadoria em questões jurídicas. Vale e Azevedo está impedido pela Ordem dos Advogados de exercer advocacia, mas tal não implica que não possa dar pareceres ou opiniões.

O antigo presidente do Benfica, entre 1997 e 2000, cumpriu pena no âmbito do processo de extradição de Inglaterra para Portugal, após os tribunais britânicos aceitarem o mandado de detenção europeu das autoridades judiciárias portuguesas. A extradição do advogado ocorreu em novembro de 2012, após quatro anos e meio em regime de permanência de residência, em Londres, com passaporte retido.

Apesar de Vale e Azevedo ter pendente uma outra condenação de 10 anos de prisão, já transitada em julgado, a sua advogada explicou que as autoridades portuguesas terão de pedir aos tribunais ingleses a "ampliação" da extradição para cumprimento da nova pena.

No entanto, Luísa Cruz considerou que, face às informações que lhe foram transmitidas de Inglaterra, "muito possivelmente, ao chegar o pedido de ampliação [da extradição] poderá nem sequer ser aceite, porque já há uma prévia apreciação deste processo". Isto porque, segundo revelou, os tribunais britânicos já deixaram algumas críticas à forma como a justiça portuguesa atuou, sobretudo relacionadas com o tempo dos processos, nos casos relativos a Vale e Azevedo.

A condenação de 10 anos de prisão foi-lhe aplicada em 2013, por crimes no âmbito das transferências dos futebolistas ingleses Scott Minto e Gary Charles, o marroquino Tahar e o brasileiro Amaral. O antigo dirigente desportivo, que estava acusado de se ter apropriado de quatro milhões de euros do clube encarnado, foi condenado por peculato, branqueamento de capitais, abuso de confiança e falsificação de documento.

A advogada salientou que ainda será preciso fazer um cúmulo jurídico com a nova condenação de dez anos, de que vai "resultar uma pena única", em que serão descontados os anos já cumpridos, com a possibilidade de lhe ser concedida de novo a liberdade condicional. Luísa Cruz defendeu que a maioria dos processos, nomeadamente os relacionados com o Benfica, deviam ter sido julgados na sua maioria ao mesmo tempo, uma vez que "têm por base a mesma fundamentação, a mesma investigação, com pequenas nuances", permitindo determinar uma pena única.

À saída da prisão da Carregueira, João Vale e Azevedo declinou fazer qualquer comentário, enquanto caminhava para o carro da mulher, e remeteu os jornalistas que o esperavam à porta do estabelecimento prisional para a sua advogada. Nos últimos anos, o antigo presidente do Benfica partilhou a prisão com os arguidos do processo da Casa Pia, como Carlos Cruz, Ferreira Diniz, Jorge Ritto e Manuel Abrantes e também com Isaltino Morais.

Há três anos, Vale e Azevedo tentou a liberdade condicional, argumentando com o seu bom comportamento. Em sua defesa alegou até que desempenhava as funções de sacristão na capela do estabelecimento prisional. O juiz de execução de penas rejeitaria o pedido.