Dr. Morte apresenta 'Sarco', a máquina que o ajuda a morrer quando quiser

Foi a estrela de uma feira dedicada aos funerais, na Holanda. 'Sarco', diminutivo para sarcófago, permite uma morte consciente, calma e tranquila. A polémica está instalada: uns adoram, outros odeiam.

Sónia Silva
Um dos protótipos de Sarco
Philip Nitschke | foto AP Photo/SMH

Foi a estrela de uma feira dedicada aos funerárias, na Holanda - a Exposição Funerária de Amesterdão -, e depressa correu mundo.

'Sarco', diminutivo para sarcófago, é uma cápsula impressa em 3D, desenhada pelo engenheiro holandês Alexander Bannink e pelo australiano Philip Nitschke, um conhecido ativista pela legalização da eutanásia que ganhou a alcunha de Dr. Morte.

"Eleger a altura em que se quer morrer e como, é um direito fundamental", defende.

Através de uns óculos de realidade virtual, os criadores de 'Sarco' permitiram aos visitantes da exposição terem uma experiência de "morte assistida"; eles perceberam o que sentia ao entrar numa máquina que, por nossa própria vontade, punha fim à vida.

Mas como funciona a máquina da morte?

Esta máquina é composta por um caixão destacável, o qual é colocado em cima de um suporte que contém um tanque com nitrogénio. A pessoa que quer morrer, aperta um botão e a cápsula é preenchida com o gás que, inalado em altas doses, é letal.

A morte chega em segundos. A princípio, "a pessoa vai sentir-se um pouco tonta, mas rapidamente perde a consciência e morre", explicou Nitschke à agência de notícias France Press.

Uma das cobaias disse ao britânico The Guardian como tinha sido a experiência de morrer virtualmente: "Foi realmente uma experiência e uma coisa estranha de se ver. Mas muito bonita e calma. Você vê a lua, você vê o mar. É muito calmo".

A máquina lançou a polémica e dividiu opiniões. Uns adoraram a possibilidade sã e tranquila que a máquina proporciona; outras acharam uma anormalidade; outros houve que não quiseram saber deste invento.

Este 'Sarco' apresentado é um protótipo. Nitschke conta querer criar a primeira capsula funcional ainda antes do final do ano.

Depois disso, o design será colocado on-line como um documento de código aberto para download.

O que "significa que qualquer pessoa que queira construir a máquina pode baixar os planos e imprimir em 3D seu próprio dispositivo", afirmou Nitschke.