Ambiente entre turistas portugueses em Cuba é de "absoluta tranquilidade"

Os turistas portugueses em Cavo Coco, Cuba, serão transportados esta quinta-feira de manhã para o centro do país por uma questão de prevenção, devido ao furacão Irma

O presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) garante que o ambiente entre os turistas portugueses em Cuba é de "absoluta tranquilidade", depois da notícia de que quatro iriam ser transferidos por prevenção ao furacão.

"Até ontem [quarta-feira] à noite, o ambiente é de absoluta tranquilidade e de gozo de férias", afirmou Pedro Costa Ferreira à Agência Lusa, confrontado com a notícia de que alguns iriam hoje ser transferidos.

O presidente da APAVT afirma que Cuba "está muito bem organizada para situações como esta e sempre que se espera um furacão é normal agruparem-se turistas em unidades hoteleiras que estão mais seguras".

Pedro Costa Ferreira acrescentou que "todos os planos de receção ao furacão foram tomados e que, para além das medidas usuais, todos os turistas estão informados do que devem fazer nesta situação".

O secretário de Estado das Comunidades disse à Lusa que quatro turistas portugueses que estavam em Cayo Coco, em Cuba, serão esta quinta-feira de manhã transportados para o centro do país por uma questão de prevenção, por causa do furacão Irma.

"Hoje, mal amanheça, as autoridades militares cubanas irão transportar quatro portugueses que estavam numa ilha, Cayo Coco, para o centro de Cuba. Estes turistas serão transferidos por uma questão de prevenção", contou o governante.

O furacão Irma atingiu as Caraíbas e deixou a ilha de Barbuda totalmente devastada e 95% da parte francesa de Saint-Martin, nas Antilhas Pequenas, destruída, segundo informações oficiais divulgadas na noite de quarta-feira.

Também nas Caraíbas, a parte francesa da ilha franco-holandesa Saint-Martin ficou 95% destruída com a passagem do Irma, segundo disse na quarta-feira à noite o presidente do conselho territorial local, Daniel Gibbs.

O furacão deixou hoje para trás a ilha de Porto Rico e ameaça agora o noroeste da República Dominicana com ventos até 290 quilómetros por hora, segundo o Centro Nacional de Furacões de Estados Unidos.

De acordo com o Centro, "o olho do Irma deverá chegar hoje de manhã à República Dominicana, passará mais tarde perto das Ilhas Turcas e Caicos e no sudeste das Bahamas à noite".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?