Alunos de escola de Ermesinde ganham viagem a Sillicon Valley

Escolas de Valongo, Vila Franca de Xira e Lagoa vencem concurso de eficiência energética que envolveu 1473 estabelecimentos de ensino

As escolas básicas n.º 2 de Vialonga, em Vila Franca de Xira, de Rio Arade, em Lagoa, e de Ermesinde, em Valongo, venceram, os projetos Missão Unidos pelo Planeta (UP), Power UP e Switch UP de eficiência energética.

No caso da escola de Ermesinde, o prémio Switch Up é uma viagem de sete dias a Sillicon Valley, na Califórnia. Foi com o projeto Robotize que os alunos desta escola venceram. Consiste na construção e instalação de um protótipo funcional que corta a corrente elétrica nas salas de informática, fora das horas de funcionamento e interrupções letivas, de forma autónoma, evitando, desta forma, desperdícios de energia.

O concurso envolveu ao todo 1473 escolas do 1.º Ciclo ao Secundário e 62 mil alunos, sendo que os prémios foram hoje entregues em cerimónia na Fundação de Serralves, no Porto.

Os três programas educativos desafiaram, durante o ano letivo 2017/2018, crianças e jovens, dos seis aos 18 anos, a "desenvolverem atividades e projetos com o objetivo de incentivar a mudança de comportamentos para um consumo mais eficiente de energia, nas escolas e em casa".

Segundo a Galp, entidade promotora do concurso, no âmbito da Missão ​​​​​​​UP, destinada a alunos entre os seis e 10 anos, foram ainda "lecionadas 507 aulas de energia, especialmente criadas para este projeto, e organizadas seis visitas lúdico-pedagógicas, com a dinamização do jogo Galpshare sobre mobilidade sustentável nas escolas que apresentaram as atividades mais criativas aos desafios temáticos do Natal e Carnaval".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.