Alunos a falar de conhecimento como gente grande

Iniciativa da St. Peter's International School realiza-se já amanhã, pelas 14.00, no colégio, em Palmela, com a presença de vários oradores convidados

Chama-se 21XRevolution Talks e vai acontecer amanhã em Palmela. O que tem de especial? O facto de ser um evento organizado pelos alunos da St. Peter's International School, que convidam oradores para uma troca de ideias em diferentes áreas de interesse.

A conferência acontece nas instalações do colégio, em Palmela, entre as 14.00 e as 17.30, uma iniciativa dos alunos que conta com a presença, além dos próprios estudantes, de participantes de outra escola e profissionais nas áreas de saúde, media e ciência.

O evento, explicam os alunos, tem como objetivo "desafiar os alunos do sistema internacional de ensino a exporem os seus trabalhos da disciplina Theory of knowledge, num contexto profissional: acreditamos que os nossos alunos se sentiram inspirados a reagir, interagir e refletir sobre as questões colocadas durante as apresentações". Com este encontro, pretende-se ainda "promover uma cultura de mente aberta, curiosidade e troca de ideias", que passa por os estudantes ganharem consciência de, envolvendo profissionais pertencentes tanto à sua comunidade como à comunidade mundial, como certas questões têm impacto no mundo.

O debate proporcionará ainda aos alunos a experiência de organizar e gerir um evento com relevância. "Reconhecemos que esta experiência irá desenvolver capacidades nos alunos que estão além do contexto escolar", explica o colégio, acrescentando entender que "a partilha e a troca de conhecimentos é uma responsabilidade profissional", pelo que a promoção de colaborações entre o currículo internacional e o currículo nacional e também entre o Colégio St. Peter"s International School e outras escolas faz todo o sentido.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".