Alma de Alfama impressa em calcário

A fotógrafa britânica Camila Watson retratou 20 habitantes típicos de Alfama e imprimiu as fotos em pedra. Fernando Medina inaugurou a exposição e defendeu "a importância da alma de Alfama"

O Largo do Chafariz de Dentro, em Alfama, foi esta segunda-feira ponto de partida para a inauguração da exposição Alma de Alfama. O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, foi descobrindo as 20 fotografias da britânica Camila Watson fixadas em calcário espalhadas pelo bairro na companhia dos retratados.

Antes da viagem pelo bairro típico lisboeta, Medina e o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior discursaram. Miguel Coelho (PS) - de quem partiu o convite para a britânica voltar a captar a tradição lisboeta para a posteridade - acentuou a importância de "perpetuar nas paredes as pessoas carismáticas do bairro" e deixou um alerta ao autarca da cidade: "está em risco este bairro, está cercado pelo alojamento local".

Medina referiu na sua curta intervenção "a importância da alma de Alfama". O autarca de Lisboa disse: "nada melhor podemos fazer dentro de uma comunidade do que cuidar da alma" e definiu Alfama como "um dos bairros mais carismáticos da cidade de Lisboa". Questionado pelo DN sobre o alerta do presidente da junta, Medina remeteu para declarações anteriores por esta ser uma "questão complexa".

Depois dos discursos, seguiu-se a inauguração. Ou melhor, as inaugurações. Uma após outra, as 20 fotografias de moradores tradicionais do bairro foram sendo reveladas. Medina fez boa parte do percurso, descobrindo as fotos com os retratados e cumprimentando quem lhe surgia ao caminho.

A comitiva que serpenteou as ruas do bairro integrava a fotógrafa britânica. Camila Watson mora há uma década em Lisboa, na Mouraria, onde já fez um projeto semelhante, de retratar a população local. Em Alfama, foi "bem recebida" e à medida que seguia pelas ruas do bairro era cumprimentada com familiaridade. Tirou várias fotografias a cada um dos habitantes de Alfama que integram a exposição e coube a cada um deles a palavra final sobre a imagem escolhida para integrar esta exposição permanente em ruas, becos e largos do bairro.

"Temos de mostrar as pessoas que fizeram história, que estão a fazer história", referiu o autarca de Santa Maria Maior. A partir de hoje há 20 histórias para descobrir em Alfama. Da "Bélita" - Maria Isabel Pereira - do Largo do Chafariz de Dentro à Tininha fadista no Beco do Guedes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.