Alma de Alfama impressa em calcário

A fotógrafa britânica Camila Watson retratou 20 habitantes típicos de Alfama e imprimiu as fotos em pedra. Fernando Medina inaugurou a exposição e defendeu "a importância da alma de Alfama"

O Largo do Chafariz de Dentro, em Alfama, foi esta segunda-feira ponto de partida para a inauguração da exposição Alma de Alfama. O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, foi descobrindo as 20 fotografias da britânica Camila Watson fixadas em calcário espalhadas pelo bairro na companhia dos retratados.

Antes da viagem pelo bairro típico lisboeta, Medina e o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior discursaram. Miguel Coelho (PS) - de quem partiu o convite para a britânica voltar a captar a tradição lisboeta para a posteridade - acentuou a importância de "perpetuar nas paredes as pessoas carismáticas do bairro" e deixou um alerta ao autarca da cidade: "está em risco este bairro, está cercado pelo alojamento local".

Medina referiu na sua curta intervenção "a importância da alma de Alfama". O autarca de Lisboa disse: "nada melhor podemos fazer dentro de uma comunidade do que cuidar da alma" e definiu Alfama como "um dos bairros mais carismáticos da cidade de Lisboa". Questionado pelo DN sobre o alerta do presidente da junta, Medina remeteu para declarações anteriores por esta ser uma "questão complexa".

Depois dos discursos, seguiu-se a inauguração. Ou melhor, as inaugurações. Uma após outra, as 20 fotografias de moradores tradicionais do bairro foram sendo reveladas. Medina fez boa parte do percurso, descobrindo as fotos com os retratados e cumprimentando quem lhe surgia ao caminho.

A comitiva que serpenteou as ruas do bairro integrava a fotógrafa britânica. Camila Watson mora há uma década em Lisboa, na Mouraria, onde já fez um projeto semelhante, de retratar a população local. Em Alfama, foi "bem recebida" e à medida que seguia pelas ruas do bairro era cumprimentada com familiaridade. Tirou várias fotografias a cada um dos habitantes de Alfama que integram a exposição e coube a cada um deles a palavra final sobre a imagem escolhida para integrar esta exposição permanente em ruas, becos e largos do bairro.

"Temos de mostrar as pessoas que fizeram história, que estão a fazer história", referiu o autarca de Santa Maria Maior. A partir de hoje há 20 histórias para descobrir em Alfama. Da "Bélita" - Maria Isabel Pereira - do Largo do Chafariz de Dentro à Tininha fadista no Beco do Guedes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.