Allan Shariff montou burla milionária a partir da prisão

O luso-americano que ficou famoso por ter assaltado um banco de Miami por telefone, em 2007, voltou ao crime. Fê-lo a partir da cadeia e com a ajuda de um guarda

Aos 36 anos e ainda com vários processos pendentes por burlas na comarca da Guarda, o luso-americano Allan Shariff, recluso em Pinheiro da Cruz, foi apanhado pela Polícia Judiciária num esquema de burla informática montado a partir da cadeia alentejana com recurso a um smartphone (proibido aos presos) e à cumplicidade de um guarda prisional.

O golpe terá beneficiado Shariff em largos milhares de euros, apurou o DN. O luso-americano conseguiu convencer lojas informáticas de que estava a falar da sede de agências de transferência de dinheiro como a Western Union ou Moneygram. Depois alegava que precisava que lhe instalassem um programa de administração remota, ao qual ele tinha acesso no smartphone. Com esse programa, Shariff passava a ter acesso aos códigos de transferência de dinheiro, apurou o DN com fonte da PJ. Com a ajuda de alegados cúmplices no exterior, que levantavam as verbas, Allan Shariff estava a tornar-se um homem muito rico e a agraciar quem o ajudava, como o guarda prisional, com compensações avultadas.

Inspetores da unidade que investiga a corrupção (UNCC) entraram ontem de manhã na cadeia alentejana e revistaram a cela de Shariff, tendo-lhe apreendido o telemóvel topo de gama, após uma investigação de um ano. Depois foram ao cacifo do guarda prisional suspeito de ser seu cúmplice e apreenderam-lhe um computador e um telemóvel.

O bandido e o guarda exemplar

Allan Shariff tornou-se famoso em 2007 por ter assaltado um balcão do Commercial Bank of Florida em Miami (Estados Unidos), através de um telefonema feito a partir de Portugal para a empregada do banco (ameaçando-a de morte se não desse o dinheiro ao seu cúmplice, Paulo Almeida, que se encontrava frente à funcionária). Shariff, filho de mãe portuguesa e de pai indonésio, tinha então 27 anos , vivia na zona de Mangualde e era procurado desde 2003 nos Estados Unidos, onde a sua família se fixou, por roubos e burlas.

Já o guarda prisional que é suspeito de ter facilitado a vida a Allan Shariff na cadeia tinha, até agora, um percurso imaculado. Fez parte de uma unidade de elite, o Grupo de Intervenção e Segurança Prisional (GISP), foi chefe de uma ala de presos difíceis, era visto como "correto e exemplar", como descreveu ao DN fonte do setor. Com mais de 40 anos e uma carreira já longa, o guarda nunca levantou suspeitas. Talvez por isso tenha sido grande o choque na prisão de Pinheiro da Cruz, quando os colegas o viram ser levado sob detenção pelos inspetores da Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ.

21 guardas presos desde 2015

A Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) avançou ao DN que o guarda detido pela PJ vai ser alvo de processo disciplinar. Este elemento do Corpo da Guarda Prisional é um entre vários que já foram apanhados a cometer crimes. Em resposta ao DN, a DGRSP informou que "durante o ano de 2015 entraram no sistema prisional 21 reclusos oriundos da guarda prisional, dos quais 12 já foram devolvidos à liberdade e entre 1 de janeiro e a presente data, entraram 6, dos quais dois foram já libertados". Tratam-se de profissionais que "entraram no sistema prisional por crimes diversos como sejam os de tráfico de estupefacientes, associação criminosa, corrupção passiva, branqueamento de capitais, abuso sexual de crianças, ofensas à integridade física, violência doméstica, violação, rapto, sequestro, homicídio, coação agravada, roubo e furto qualificado".

Allan Shariff estava a cumprir pena de 10 anos de prisão em Pinheiro da Cruz desde 2012 pelo rapto de um empresário canadiano, extorsão, branqueamento e falsificação de documentos. A sua transferência para outro estabelecimento prisional estava ontem a ser analisada pelos serviços. Shariff está arguido neste novo processo por corrupção ativa e burla informática. O guarda terá de responder por corrupção passiva e irá hoje a tribunal.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.