Allan Shariff montou burla milionária a partir da prisão

O luso-americano que ficou famoso por ter assaltado um banco de Miami por telefone, em 2007, voltou ao crime. Fê-lo a partir da cadeia e com a ajuda de um guarda

Aos 36 anos e ainda com vários processos pendentes por burlas na comarca da Guarda, o luso-americano Allan Shariff, recluso em Pinheiro da Cruz, foi apanhado pela Polícia Judiciária num esquema de burla informática montado a partir da cadeia alentejana com recurso a um smartphone (proibido aos presos) e à cumplicidade de um guarda prisional.

O golpe terá beneficiado Shariff em largos milhares de euros, apurou o DN. O luso-americano conseguiu convencer lojas informáticas de que estava a falar da sede de agências de transferência de dinheiro como a Western Union ou Moneygram. Depois alegava que precisava que lhe instalassem um programa de administração remota, ao qual ele tinha acesso no smartphone. Com esse programa, Shariff passava a ter acesso aos códigos de transferência de dinheiro, apurou o DN com fonte da PJ. Com a ajuda de alegados cúmplices no exterior, que levantavam as verbas, Allan Shariff estava a tornar-se um homem muito rico e a agraciar quem o ajudava, como o guarda prisional, com compensações avultadas.

Inspetores da unidade que investiga a corrupção (UNCC) entraram ontem de manhã na cadeia alentejana e revistaram a cela de Shariff, tendo-lhe apreendido o telemóvel topo de gama, após uma investigação de um ano. Depois foram ao cacifo do guarda prisional suspeito de ser seu cúmplice e apreenderam-lhe um computador e um telemóvel.

O bandido e o guarda exemplar

Allan Shariff tornou-se famoso em 2007 por ter assaltado um balcão do Commercial Bank of Florida em Miami (Estados Unidos), através de um telefonema feito a partir de Portugal para a empregada do banco (ameaçando-a de morte se não desse o dinheiro ao seu cúmplice, Paulo Almeida, que se encontrava frente à funcionária). Shariff, filho de mãe portuguesa e de pai indonésio, tinha então 27 anos , vivia na zona de Mangualde e era procurado desde 2003 nos Estados Unidos, onde a sua família se fixou, por roubos e burlas.

Já o guarda prisional que é suspeito de ter facilitado a vida a Allan Shariff na cadeia tinha, até agora, um percurso imaculado. Fez parte de uma unidade de elite, o Grupo de Intervenção e Segurança Prisional (GISP), foi chefe de uma ala de presos difíceis, era visto como "correto e exemplar", como descreveu ao DN fonte do setor. Com mais de 40 anos e uma carreira já longa, o guarda nunca levantou suspeitas. Talvez por isso tenha sido grande o choque na prisão de Pinheiro da Cruz, quando os colegas o viram ser levado sob detenção pelos inspetores da Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ.

21 guardas presos desde 2015

A Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) avançou ao DN que o guarda detido pela PJ vai ser alvo de processo disciplinar. Este elemento do Corpo da Guarda Prisional é um entre vários que já foram apanhados a cometer crimes. Em resposta ao DN, a DGRSP informou que "durante o ano de 2015 entraram no sistema prisional 21 reclusos oriundos da guarda prisional, dos quais 12 já foram devolvidos à liberdade e entre 1 de janeiro e a presente data, entraram 6, dos quais dois foram já libertados". Tratam-se de profissionais que "entraram no sistema prisional por crimes diversos como sejam os de tráfico de estupefacientes, associação criminosa, corrupção passiva, branqueamento de capitais, abuso sexual de crianças, ofensas à integridade física, violência doméstica, violação, rapto, sequestro, homicídio, coação agravada, roubo e furto qualificado".

Allan Shariff estava a cumprir pena de 10 anos de prisão em Pinheiro da Cruz desde 2012 pelo rapto de um empresário canadiano, extorsão, branqueamento e falsificação de documentos. A sua transferência para outro estabelecimento prisional estava ontem a ser analisada pelos serviços. Shariff está arguido neste novo processo por corrupção ativa e burla informática. O guarda terá de responder por corrupção passiva e irá hoje a tribunal.

Relacionadas

Últimas notícias

Brand Story

Tui

Mais popular

  • no dn.pt
  • Sociedade
Pub
Pub