Algarve aposta no ciclismo e nas caminhadas para combater sazonalidade

Segundo estudo da ANA esta aposta permite dar sustentabilidade económica à região e mais receitas

O Algarve aposta no ciclismo e nas caminhadas como produtos diferenciadores capazes de combater a sazonalidade turística, uma estratégia assumida hoje pelo Aeroporto de Faro, pelo Turismo de Portugal, pelo Turismo do Algarve e pelas autarquias.

O projeto resulta de um estudo encomendado pela ANA - Aeroportos de Portugal para diagnosticar as potencialidades e as carências da região para poder apostar de forma inequívoca no ciclismo e nas caminhadas como produtos turísticos que permitam combater a sazonalidade, dar sustentabilidade económica à região e mais receitas.

As responsabilidades de cada parceiro estão definidas, cabendo às autarquias assegurar a manutenção dos trilhos, garantir a segurança dos mesmos e cuidar da sinalética, enquanto o Turismo de Portugal vai estar empenhado na estruturação do produto e a Associação de Turismo do Algarve irá empenhar esforços na área da promoção e internacionalização destes produtos.

O presidente da Região de Turismo do Algarve, Desidério Silva, explicou que assim que as autarquias tenham terminado a sua ação no terreno, resolvendo problemas e dando maior atratividade às rotas existentes, estarão reunidas condições para o lançamento de um portal eletrónico dedicado ao ciclismo e ao pedestrianismo no Algarve.

Os principais atrativos da região para estes produtos são atualmente a Rota Vicentina, a Via Algarviana, a Ecovia do Litoral e a Grande Rota do Guadiana, mas o projeto irá contemplar outros trilhos e percursos.

Um projeto do Turismo do Algarve e da Federação Portuguesa de Ciclismo com vista à criação de mais de 40 percursos para ciclismo de estrada na região para atrair os praticantes amadores da modalidade, mas com particular interesse nos estágios para equipas de ciclismo profissionais, foi integrado no plano hoje apresentado.

Presente na apresentação das conclusões do estudo e do projeto, que vai estar em curso até 2019, o administrador da ANA Aeroportos, Luís Vaz, explicou que o Aeroporto de Faro já está a atingir a sua capacidade máxima durante a época alta, sendo a aposta na atração de turistas durante o resto do ano uma forma interessante de aumentar a operação.

O plano estipula tarefas e objetivos anuais distribuídos pelos vários parceiros já a trabalhar até ao final do próximo verão.

Jorge Botelho registou o desafio, referindo que, dado o prazo e as metas estabelecidos para 2016, será expectável que durante o primeiro trimestre de 2017 já seja possível ter resultados que demonstrem o sucesso ou insucesso do projeto.

Dizendo-se entusiasmada pela forma como as várias entidades públicas e privadas se estão a empenhar neste projeto, a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, afirmou que vai acompanhar os desenvolvimentos com regularidade na esperança de bons resultados que possam posteriormente ser replicados no resto do país.

Num ano em que os dados turísticos parecem ultrapassar as expectativas, Ana Mendes Godinho mostrou-se satisfeita pelo empenho dos agentes do setor em alargar o período turístico e criar produtos para todo o território em vez de ficarem "à sombra da bananeira".

"Temos de ter atividade todo o ano. Uma região não pode viver só de seis meses [de atividade] como vive há 40 anos", disse à Lusa o presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve, Jorge Botelho, que espera que esta aposta se traduza em mais emprego e maior sustentabilidade empresarial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.