Alfama vence Marchas Populares de Lisboa

Na 84.ª edição, o bairro de Alfama foi o mais bem classificado

O bairro de Alfama foi o vencedor da edição deste ano das Marchas Populares de Lisboa, anunciou hoje a Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC).

O segundo lugar foi atribuído à marcha da Penha de França e o terceiro à marcha de Alto do Pina.

Este ano, as Marchas Populares fizeram uma alusão ao 170.º aniversário do nascimento de Rafael Bordalo Pinheiro e ao 50.º aniversário da construção da Ponte Sobre o Tejo (Ponte 25 de Abril).

Segundo a EGEAC, as marchas são avaliadas com uma pontuação de 0 a 20 e em dois momentos, no pavilhão MEO Arena e na Avenida da Liberdade, nas categorias de coreografia, cenografia, figurino, melhor letra, musicalidade, melhor composição original e desfile da avenida.

Por categorias, Alfama, Anto do Pina e Penha de França foram os bairros melhor classificado na coreografia, Alcântara na cenografia e Alcântara, Alto do Pina e Bairro Alto no figurino.

O título de melhor letra foi arrecadado pela marcha da Madragoa, já na categoria de musicalidade destacaram-se os bairros de Alfama, Alto do Pina e Penha de França e a melhor composição original foi "Manjerico", de Alfama.

A marcha de Alfama foi a vencedora na categoria de desfile da avenida, informou ainda a EGEAC.

À semelhança de anos anteriores, a 84.ª edição das Marchas Populares de Lisboa contou com a participação 20 marchas em competição: Alto do Pina - vencedora do ano passado -, Alfama, Alcântara, Bela Flor -- Campolide, Campo de Ourique, Carnide, Penha de França, Bairro da Boavista, Bairro Alto, Benfica, Ajuda, Madragoa, São Vicente, Bica, Mouraria, Santa Engrácia, Marvila, Graça, Olivais e Lumiar.

As marchas que entraram este ano a concurso foram Campo de Ourique, Penha de França e Bairro da Boavista - esta última participa nas Marchas Populares pela primeira vez -, ocupando o lugar das marchas de São Domingos de Benfica, Beato e Baixa, que participaram no ano passado.

Na Avenida da Liberdade desfilaram também os 32 noivos de Santo António, a marcha infantil "A Voz do Operário" e a marcha dos Mercados, ambas extracompetição, e, como convidados, a marcha popular de Portimão e a dança do dragão da Lo Leong Sport General Association de Macau.

Classificação final das Marchas Populares de Lisboa

1.º Marcha de Alfama - 238 pontos

2.º Marcha da Penha de França - 228 pontos

3.º Marcha do Alto do Pina - 225 pontos

4.º Marcha de Alcântara - 214 pontos

5.º Marcha da Madragoa - 212 pontos

6.º Marcha do Bairro Alto - 211 pontos

7.º Marcha de S. Vicente - 206 pontos

8.º Marcha da Bela Flor-Campolide - 192 pontos

9.º Marcha de Marvila - 191 pontos

10.º Marcha da Mouraria - 190 pontos (ex-aequo)

10.º Marcha dos Olivais - 190 pontos (ex-aequo)

12.º Marcha da Ajuda - 184 pontos

13.º Marcha de Carnide - 182 pontos

14.º Marcha da Bica - 179 pontos

15.º Marcha da Graça - 172 pontos

16.º Marcha Sta. Engrácia - 171 pontos (ex-aequo)

16.º Marcha de Campo de Ourique - 171 pontos (ex-aequo)

18.º Marcha de Benfica - 168 pontos

19.º Marcha do Bairro da Boavista - 164 pontos

20.º Marcha do Lumiar - 152 pontos

Classificação por categorias

Melhor Coreografia - Alfama, Alto Pina, Penha de França

Melhor Cenografia - Alcântara

Melhor Figurino Alcântara, Alto do Pina, Bairro Alto

Melhor Letra - Madragoa

Melhor Musicalidade - Alfama, Alto do Pina, Penha de França

Melhor Composição Original - "Manjerico", de Alfama

Melhor Desfile da Avenida - Alfama

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.