Alfama vence Marchas Populares de Lisboa

Na 84.ª edição, o bairro de Alfama foi o mais bem classificado

O bairro de Alfama foi o vencedor da edição deste ano das Marchas Populares de Lisboa, anunciou hoje a Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC).

O segundo lugar foi atribuído à marcha da Penha de França e o terceiro à marcha de Alto do Pina.

Este ano, as Marchas Populares fizeram uma alusão ao 170.º aniversário do nascimento de Rafael Bordalo Pinheiro e ao 50.º aniversário da construção da Ponte Sobre o Tejo (Ponte 25 de Abril).

Segundo a EGEAC, as marchas são avaliadas com uma pontuação de 0 a 20 e em dois momentos, no pavilhão MEO Arena e na Avenida da Liberdade, nas categorias de coreografia, cenografia, figurino, melhor letra, musicalidade, melhor composição original e desfile da avenida.

Por categorias, Alfama, Anto do Pina e Penha de França foram os bairros melhor classificado na coreografia, Alcântara na cenografia e Alcântara, Alto do Pina e Bairro Alto no figurino.

O título de melhor letra foi arrecadado pela marcha da Madragoa, já na categoria de musicalidade destacaram-se os bairros de Alfama, Alto do Pina e Penha de França e a melhor composição original foi "Manjerico", de Alfama.

A marcha de Alfama foi a vencedora na categoria de desfile da avenida, informou ainda a EGEAC.

À semelhança de anos anteriores, a 84.ª edição das Marchas Populares de Lisboa contou com a participação 20 marchas em competição: Alto do Pina - vencedora do ano passado -, Alfama, Alcântara, Bela Flor -- Campolide, Campo de Ourique, Carnide, Penha de França, Bairro da Boavista, Bairro Alto, Benfica, Ajuda, Madragoa, São Vicente, Bica, Mouraria, Santa Engrácia, Marvila, Graça, Olivais e Lumiar.

As marchas que entraram este ano a concurso foram Campo de Ourique, Penha de França e Bairro da Boavista - esta última participa nas Marchas Populares pela primeira vez -, ocupando o lugar das marchas de São Domingos de Benfica, Beato e Baixa, que participaram no ano passado.

Na Avenida da Liberdade desfilaram também os 32 noivos de Santo António, a marcha infantil "A Voz do Operário" e a marcha dos Mercados, ambas extracompetição, e, como convidados, a marcha popular de Portimão e a dança do dragão da Lo Leong Sport General Association de Macau.

Classificação final das Marchas Populares de Lisboa

1.º Marcha de Alfama - 238 pontos

2.º Marcha da Penha de França - 228 pontos

3.º Marcha do Alto do Pina - 225 pontos

4.º Marcha de Alcântara - 214 pontos

5.º Marcha da Madragoa - 212 pontos

6.º Marcha do Bairro Alto - 211 pontos

7.º Marcha de S. Vicente - 206 pontos

8.º Marcha da Bela Flor-Campolide - 192 pontos

9.º Marcha de Marvila - 191 pontos

10.º Marcha da Mouraria - 190 pontos (ex-aequo)

10.º Marcha dos Olivais - 190 pontos (ex-aequo)

12.º Marcha da Ajuda - 184 pontos

13.º Marcha de Carnide - 182 pontos

14.º Marcha da Bica - 179 pontos

15.º Marcha da Graça - 172 pontos

16.º Marcha Sta. Engrácia - 171 pontos (ex-aequo)

16.º Marcha de Campo de Ourique - 171 pontos (ex-aequo)

18.º Marcha de Benfica - 168 pontos

19.º Marcha do Bairro da Boavista - 164 pontos

20.º Marcha do Lumiar - 152 pontos

Classificação por categorias

Melhor Coreografia - Alfama, Alto Pina, Penha de França

Melhor Cenografia - Alcântara

Melhor Figurino Alcântara, Alto do Pina, Bairro Alto

Melhor Letra - Madragoa

Melhor Musicalidade - Alfama, Alto do Pina, Penha de França

Melhor Composição Original - "Manjerico", de Alfama

Melhor Desfile da Avenida - Alfama

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.