Alcoólicos Anónimos ainda lutam contra preconceitos, até de médicos

Grupo de autoajuda quer atrair os alcoólicos mais cedo. Quando se chega aos 50 anos, o problema já é físico e parar de beber é mais difícil. Médico que preside aos AA quer combater os preconceitos dos profissionais de saúde

"Comecei a beber por brincadeira aos 14 anos." Isabel é um exemplo de um alcoólico precoce. Da juventude à vida em família, o álcool minou-lhe a vida até aos 33 anos, altura em que a adesão aos grupos dos Alcoólicos Anónimos permitiu que superasse o doença e parasse com as "contínuas bebedeiras. E salvasse tudo: "Recuperei um emprego, a família e fugi à solidão em que tinha caído."
O caso de Isabel, hoje com 49 anos, encaixa no perfil de doentes a que a direção dos Alcoólicos Anónimos (AA) quer atualmente dirigir-se com mais atenção: as pessoas na faixa etária dos 30 anos. "É importante que as pessoas vão mais cedo aos AA, sobretudo as que têm cerca de 30 anos. Quando se recorre aos 50 anos, e é ainda a maioria, o tratamento é mais difícil em termos físicos, muitas vezes as vidas já estão a desfazer-se com divórcios pelo meio", disse ao DN o médico psiquiatra Domingos Neto, presidente dos AA. Amanhã assinala-se o Dia Nacional dos Alcoólicos Anónimos.

Isabel explica o efeito que o álcool teve na sua adolescência. "A experiência começa entre amigos. Gostava do efeito que me causava, da sensação. Depois, quando se consome sem parar, já é uma fuga. Bebia de tudo, desde cerveja a cocktails. Nem me apercebi de que depois me isolei socialmente na fase em que bebia todos os dias."

Qualquer desculpa serve

Quando uma pessoa se torna alcoólica "deixa de perceber o que a rodeia e qualquer desculpa serve", conta Isabel. "Fazia-me de triste para ficar sozinha e poder beber à vontade. Cheguei a um ponto em que estava dependente fisicamente e de manhã já precisava do álcool para andar."

O clique para a mudança surgiu quando perdeu o emprego e a família se afastou. "Tiraram-me o tapete. O meu marido e a minha filha encostaram-me à parede e disseram basta. Eles sofrem como nós e ficam doentes como nós. Esta é uma doença de emoções."

Os AA foram decisivos. Antes fez desintoxicações, tratamentos com psiquiatras e médico de família. "Foram muito importantes mas foi quando conheci pessoas como eu que percebi tudo. Que era doente e era escrava do álcool."

Domingos Neto diz que o número de mulheres tem aumentado nos últimos anos. "Os homens são mais atingidos. A mulher está biologicamente mais protegida contra o álcool", explica o médico, com longa experiência no tratamento de alcoolismo. Sendo profissional de medicina, aceitou presidir aos AA por reconhecer grandes méritos nestes grupos de autoajuda. "O alcoolismo é uma doença crónica, progressiva e por vezes mortal. Para evitar beber e entrar na sobriedade é preciso aceitar ajuda, ouvir pessoas que sabem mais, ter humildade. O doente alcoólico nega o problema até à beira do fim", diz o dirigente, que é o único não alcoólico na associação.

O preconceito dos médicos

Além de atrair para os AA as pessoas de 30 anos com a doença, Domingos Neto aponta como outro desafio "convencer os profissionais de saúde que os AA são grupos de auto- ajuda que constituem uma alternativa". Mas há preconceito? "Há, ainda há quem pense que são uma seita, o que não é verdade. Formam um grupo aberto e que funciona. Tomara que todos os meus doentes fossem aos AA. É possível recuperar pessoas apenas nos AA. Já encontrei vários casos. As pessoas devem tratar-se com médicos mas os AA são uma opção válida, sem protagonismos, com independência e seriedade."

Isabel ainda hoje participa nas reuniões. "Hoje estou mais forte, conheço-me melhor e tenho uma vida mais saudável. E devo muito ao grupo com que me reunia. Para manter isso vou aos AA, ajudando os outros também me fortaleço. Só nós que sofremos e participamos nos grupos é que conseguimos entender."

Não se tenha ilusões. Nem todos conseguem parar de beber com facilidade. "É uma luta contínua. Há pessoas que vão ao grupo e não conseguem parar de beber. Muitos saem ou recaem. Por isso é preciso não desistir", diz Isabel, lembrando que, no seu grupo, costuma falar com gente "de todos os níveis sociais, profissionais e religiosos. Há mais gente nova e mais mulheres agora mas a maioria é de meia idade." A permanência nos grupos dos AA também é explicada pela manutenção da abstinência. O alcoolismo não tem cura - há um fator genético e hereditário elevado - e a abstinência é a única forma de o combater. Com tratamento é possível ter uma vid a saudável sem álcool. Pessoas como Isabel ou Manuel (ver entrevista relacionada) não podem mais beber álcool. "Não é só a quantidade de álcool que define o doente. Pode até nem beber diariamente e ser dependente. Beber de manhã, por exemplo, é um hábito que afeta muito o cérebro e contribui para a dependência", explica Domingos Neto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".