Água engarrafada de marcas conhecidas contaminada com partículas de plástico

Evian, Nestlé, San Pellegrino, Aqua ou Aquafina são algumas das marcas

A água engarrafada de grandes marcas mundiais está contaminada com partículas de plástico minúsculas cujos efeitos na saúde são pouco conhecidos, segundo um estudo divulgado hoje.

A investigadora Sherri Mason, da universidade estadual de Nova Iorque, afirmou que foram analisadas 250 garrafas de nove países: Brasil, China, Estados Unidos, Índia, Indonésia, Quénia, Líbano, México e Tailândia.

Plástico foi encontrado em 93% das garrafas de água de marcas como a Evian, Nestlé, San Pellegrino, Aqua ou Aquafina, mais concretamente polipropileno, nylon e politereftalato de etileno.

"Creio que isso resulta do processo de engarrafamento. A maior parte do plástico provem da própria garrafa, da tampa, do processo industrial de engarrafamento", disse Sherri Mason à agência France Presse.

Sherri Mason afirmou que "há uma relação com certos tipos de cancro, a diminuição da quantidade de espermatozoides ou a incidência de certas doenças, como o autismo ou défice de atenção".

Em outro estudo também publicado na plataforma Orb Media tinha-se demonstrado que também há partículas de plástico na água da rede pública, mas não tanto.

"A água da torneira, globalmente, é mais segura do que a água engarrafada", considerou Sherri Mason.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.