O calendário solidário dos agricultores de Barcelos

O Calendário Solidário 2018 tem o lançamento marcado para o dia 13 deste mês no Instituto Politécnico do Cávado e do Ave, em Barcelos

Doze agricultores de Barcelos despiram a camisola e posaram em tronco nu para um calendário "divertido, ousado e solidário", que visa angariar fundos para uma instituição do concelho que trabalha na área da saúde mental.

O mentor da iniciativa, Filipe Figueiredo, disse hoje à Lusa que o outro objetivo é "desmistificar um pouco" a imagem da agricultura, "habitualmente associada a gente velha e suja".

O lançamento oficial do calendário está agendado para 13 de outubro, no Instituto Politécnico do Cávado e Ave, em Barcelos.

"Cada calendário custa cinco euros e a receita das vendas reverterá integralmente para a Recovery, uma instituição de Barcelos que trabalha na área da saúde mental na infância e na adolescência", referiu Filipe Figueiredo.

A primeira edição contará com mil calendários, mas outras se poderão seguir, se a procura assim o justificar.

Cheira-me que os mil não vão chegar e oxalá que não cheguem, porque a causa é muito boa

Os "modelos" que dão o corpo a cada um dos meses de 2018 são todos agricultores, ligados ao setor leiteiro.

Têm entre os 22 e os 53 anos e, confessa Filipe Figueiredo, "foi tudo menos fácil" convencer uma boa parte deles a despir a camisola.

As fotos foram tiradas em "cenário real", nas explorações dos modelos.

O fotógrafo também não cobrou nada pelo seu trabalho, contribuindo assim para uma iniciativa "100% solidária".

"Com o calendário, queremos também desmistificar a ideia de que a agricultura é coisa para velhos e sujos e mostrar que esta é uma atividade que faz bem ao corpo", disse ainda o responsável pela iniciativa.

O lançamento do Calendário Solidário 2018 está marcado para o dia 13 deste mês no Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.