Agente da 'Escola Segura' condenado por crimes de abuso sexual de criança

Agente envolveu-se com aluna uma escola do Porto "que conhecera no exercício das funções"

Um agente da PSP do Porto foi condenado a seis anos e seis meses de prisão por crimes de abuso sexual de criança, atos sexuais com adolescentes e pornografia de menores, anunciou hoje o Ministério Público (MP).

De acordo com a página na Internet da Procuradoria-Geral Distrital do Porto do MP, o arguido era agente da PSP adstrito ao programa 'Escola Segura' e a vítima dos crimes foi uma aluna de uma escola do Porto.

Segundo concluiu o tribunal de Penafiel, resultou provado que o arguido, "de novembro de 2012 até setembro de 2013, manteve por várias vezes trato sexual" com uma aluna de escola do Porto, da sua área de atuação, nascida 1999, "que conhecera no exercício das referidas funções".

Ainda segundo o MP, "o arguido instou a referida aluna a enviar-lhe digitalmente fotos suas nua ou em roupa interior, em poses sexuais" a que esta acedeu, enviando-lhe as fotografias que o arguido guardou em arquivo digital.

O arguido foi condenado por 11 crimes de abuso sexual de crianças, cinco crimes de atos sexuais com adolescentes e dois crimes de pornografia de menores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.