A voz de Stephen Hawking foi enviada para um buraco negro

"É uma mensagem de paz e esperança, sobre união e sobre a nossa necessidade de vivermos juntos em harmonia neste planeta", adiantou a filha Lucy Hawking

Um registo da voz sintetizada do astrofísico Stephen Hawking será enviada para o espaço na sexta-feira, quando forem depositadas as suas cinzas junto às sepulturas de Isaac Newton e de Charles Darwin, na Abadia de Westminster, em Londres.

O registo de som realizado pelo compositor grego de música eletrónica Vangelis, que integra a voz sintetizada de Stephen Hawking, será enviado pela Agência Espacial Europeia em direção ao buraco negro 1A 0620-00, aquele que se encontra mais próximo do planeta Terra.

"É um belo gesto, simbólico, que cria uma ligação entre a presença do nosso pai neste planeta, as suas intenções de ir ao espaço e os seus trabalhos de investigação sobre o universo", disse a sua filha, Lucy Hawking, citada pela agência France Press.

"É uma mensagem de paz e esperança, sobre união e sobre a nossa necessidade de vivermos juntos em harmonia neste planeta", adiantou.

Membros da família do físico, amigos e colegas vão marcar presença durante a cerimónia de despedida do investigador, que morreu a 14 de março com 76 anos e que tinha dedicado a sua vida a tentar compreender os mistérios do universo.

O astronauta britânico Tim Peake, o professor de astronomia Maryin Rees e o ator Benedict Cumberbatch, que encarnou o cientista num filme, usarão da palavra no decorrer da cerimónia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.