Açores à espera de furacão que vai trazer chuva ao norte do país

Furação Alex, em 2016, fechou escolas e serviços públicos. Só os hospitais ficaram abertos

Ophelia deve atingir amanhã as ilhas de Santa Maria e São Miguel, onde bombeiros estão de prevenção. Efeitos do ciclone se deverão fazer-se sentir no continente domingo à noite

As populações das ilhas de Santa Maria e São Miguel (Açores), as corporações de bombeiros e os serviços de habitação, solidariedade social e obras públicas da região estão em estado de alerta devido à aproximação do furacão Ophelia que deve atingir aquelas ilhas do grupo oriental do arquipélago amanhã de amanhã.

É nesta região que as previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera apontam para um maior impacto da tempestade tropical - o décimo furacão da atual temporada no Atlântico e o quarto desde 1893 a atingir os Açores. De acordo com a delegação regional do IPMA há entre 30 a 40% de possibilidades de o vento médio ser superior a 65 km por hora, probabilidades que sobem para 50 a 60% em Santa Maria. A partir de amanhã e até ao sábado, dia 21, deve também chover todos os dias.

Os efeitos do ciclone - designação meteorológica que engloba tempestades tropicais e furacões de categorias 1 a 5 - também se devem sentir no continente. Segundo adiantou ao DN, Vanda Costa, do IPMA, essa possibilidade existe e a acontecer os seus efeitos devem começar a sentir-se na noite de domingo principalmente na região norte. As previsões apontam para que a partir desse dia a chuva se faça sentir até quarta-feira, acompanhada com uma descida de temperatura bastante acentuada de domingo para segunda: de 31 graus de máximo no Porto, por exemplo, para 23 graus. Depois na terça e quarta-feira a máxima deverá atingir na cidade portuense 21 graus.

Já na região de Lisboa, a chuva deverá surgir de segunda a quarta-feira, com menos intensidade que no norte do país. As temperaturas vão igualmente descer: sete graus de domingo para segunda (de 31 para 24) e para 22 graus terça-feira.

Nos Açores, os bombeiros e os serviços municipais de proteção civil estão em estado de alerta, confirmou ao DN fonte oficial.

"Demos toda a informação às populações, bombeiros e serviços municipais para estarem alerta à passagem do furacão", adiantou. Alertas feitos resta à região esperar pelas atualizações da trajetória do furacão - "estamos a ter atualizações constantes", explicou a fonte do Serviço Regional da Proteção Civil, entidade que faz a ponte entre os vários serviços envolvidos - para se mobilizar os meios.

Quanto às populações, principalmente as das duas ilhas que devem ser as mais afetadas, foram alertados para o que devem fazer no caso da tempestade. Por exemplo, verificar as janelas e as portas, e não andar na rua exceto se for mesmo necessário. "A população está habituada a estas situações e tomam atenção aos conselhos", acrescentou.

As previsões apontam para que o vento médio possa atingir os 140 quilómetros/hora e as rajadas na ordem dos 170 quilómetros/hora.

De acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera "não se prevê que as ilhas do grupo ocidental (Flores e Corvo) sofram influência deste ciclone tropical". Já para as ilhas do grupo central - Faial, Pico, São Jorge, Graciosa e Terceira - "existe uma baixa probabilidade, entre 5 e 10%, de as ilhas sofrerem influência".

Relacionadas

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Sociedade
Pub
Pub