Acidentes nas estradas provocaram 378 mortos este ano, mais 56 do que em 2016

Registaram-se 95.549 acidentes nos primeiros nove meses do ano

O número de mortos nas estradas portuguesas aumentou este ano cerca de 17%, tendo os acidentes rodoviários provocado 378 vítimas mortais, indicou hoje a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

Segundo a ANSR, que reúne dados da PSP e da GNR, morreram nas estradas portugueses, entre 01 de janeiro e 30 de setembro, mais 56 pessoas em relação a período homólogo de 2016.

O número de desastres também aumentou este ano, tendo-se registado 95.549 acidentes nos primeiros nove meses do ano, mais 1.016 do que no mesmo período de 2016, quando ocorreram 94.533, adianta a Segurança Rodoviária.

A ANSR refere também que Porto (55), Setúbal (44) e Lisboa (37) foram os distritos com mais mortos nas estradas entre janeiro e setembro.

Já os distritos com menor número de vítimas mortais este ano foram Portalegre (oito), seguido da Guarda e Viseu, com nove em cada um.

De acordo com a ANSR, os acidentes rodoviários provocaram este ano 1.641 feridos graves, mais 58 do que em período idêntico de 2016.

Também o número de feridos ligeiros aumentou ligeiramente entre janeiro e setembro, totalizando 29.007, contra os 28.550 do ano passado.

Os dados da ANSR dizem respeito ao número de vítimas mortais cujo óbito foi declarado no local do acidente ou a caminho do hospital.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.