Criança de dois anos hospitalizada após acidente em piscina

Menino foi levado em braços por familiares para o hospital de Póvoa de Lanhoso

Um menino de dois anos foi hoje transferido do Hospital da Póvoa de Lanhoso para o de São João, no Porto, "inconsciente", na sequência de um acidente numa piscina, disse à Lusa fonte dos Bombeiros Voluntários daquela localidade.

Segundo a referida fonte, os operacionais foram acionados às 10:09 para fazerem o transporte inter-hospitalar da criança "que estava inconsciente".

"Fomos chamados às 10:09 para fazer o transporte da criança, que terá sido levada para o Hospital [da Póvoa de Lanhoso] por familiares, explicou a fonte nos bombeiros.

Contactada pela Lusa, fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) referiu que foi pedido pelo hospital da Póvoa de Lanhoso, distrito de Braga, "apoio diferenciado" para uma criança de dois anos "em paragem cardiorrespiratória por afogamento".

A vítima "foi transportada para o Hospital de S. João pelo INEM em estado grave", acrescentou a mesma fonte.

Fonte da unidade hospitalar da Póvoa de Lanhoso confirmou à Lusa a entrada da criança "trazida pela família em braços".

No local estiveram a VMER de Braga e os bombeiros locais.

A Lusa tentou, sem sucesso, obter esclarecimentos do Hospital de São João sobre o estado da criança.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.