Acidente com camião corta trânsito há várias horas na Ponte Açude de Coimbra

Trânsito cortado há mais de sete horas. Camião tombou ao iniciar a travessia da ponte

O trânsito está cortado há mais de sete horas na Ponte Açude de Coimbra após um camião ter tombado ao iniciar a travessia do rio Mondego, disseram fontes dos Bombeiros e da PSP perto das 18:00 de hoje.

O acidente verificou-se cerca das 10:30, quando um veículo pesado proveniente do lado de Taveiro, que "transportava vigas metálicas de grandes dimensões", tombou para o lado esquerdo, tendo a carga caído sobre o separador central já próximo do tabuleiro da ponte, disse uma fonte dos Bombeiros Sapadores de Coimbra (BSC) à agência Lusa.

Devido à obstrução da via e para permitir a limpeza do pavimento, bem como a remoção da viatura e da carga, a circulação automóvel estava ainda interrompida nos dois sentidos, às 17:30, provocando congestionamentos do tráfego da zona, nas duas margens do rio.

A fonte da PSP, por sua vez, disse que "não resultaram feridos do acidente" e que não há ainda uma previsão para a conclusão dos trabalhos e a reabertura da Ponte Açude.

O camião sinistrado transportava uma carga de entre 25 e 30 toneladas, constituída por seis estruturas metálicas.

Além de elementos da PSP, acorreram ao local 20 operacionais dos BSC e dos Bombeiros Voluntários da cidade, com oito viaturas, que procederam à limpeza de detritos vários e gasóleo derramado no pavimento.

Ao fim da tarde, permaneciam no local, acompanhando os trabalhos de desobstrução, quatro elementos e uma viatura dos Bombeiros Sapadores.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".