A escola de música que nasceu de uma aplicação digital

Com a JAMP é possível aprender a tocar piano com um tablet. Mas para ter acesso à app é preciso frequentar a LusoMusic

A ideia nasceu de Ivo Vieira. O fazedor é um homem dos setes ofícios, com três outros projetos já desenvolvidos: a Turflinx, uma empresa que desenvolveu um robô para cortar relva em campos de golfe; a LusoSpace, de engenharia espacial com tecnologia de ponta; e a LusoVU, uma startup de realidade aumentada que foi uma das 67 escolhidas na iniciativa Road 2 Websummit do programa Startup Portugal. "A ideia de fazer uma aplicação sobre música já é antiga. Quando era mais novo estava a aprender guitarra e custava-me treinar em casa, sem o professor, e sabia que as novas tecnologias me podiam ajudar", explica.

A guitarra passou a piano e a ideia ganhou forma mais de uma década depois. "Decidi explorar o conceito no MBA que fiz, entre 2008 e 2010, na cadeira de Empreendedorismo", conta. O plano de negócios que desenvolveu foi considerado o melhor do curso por um júri exterior e Ivo foi a Londres apresentar a ideia numa competição internacional.

O problema depois foi o tempo. O tempo e a disponibilidade. Com outros projetos e empresas em mãos, Ivo não tinha capacidade para se dedicar à ideia.

"Estava à procura de um sócio porque não conseguia tratar de outro negócio. Falei com várias pessoas mas foi só três anos depois, em 2013, que encontrei o Luís", lembra.

Luís Coelho, engenheiro civil e também apaixonado por música, nessa altura estava em Moçambique. "O Ivo enviou um e-mail para algumas pessoas conhecidas e chegou à minha mulher, que estava na mesma mailing list. Ela viu, achou interessante e reencaminhou para mim", recorda. E foi assim que tudo começou.

Escola nasce de um aplicativo

A JAMP (Joguificação para a Aprendizagem Musical de Piano) é uma aplicação de tablet que ajuda o utilizador a aprender a tocar piano, ligando-se o dispositivo ao instrumento. Pertence à LusoMusic, a empresa criada pelos dois sócios. "A primeira coisa que fizemos foi procurar parceiros na área. Depois, fizemos todo o descritivo do projeto, desenvolvemos o plano de negócios e candidatámo-nos aos fundos do QREN [Quadro de Referência Estratégica Nacional]", explica Luís. O apoio comunitário chegou no final do ano e foi essencial. Dos 162 mil euros que custou desenvolver o projeto, 70% foram suportados pelo programa da União Europeia.

Na altura de definir a estratégia, decidiram associar a necessidade da existência de uma escola para a utilização do aplicativo. "Existem já aplicações no mercado que estão pensadas para ser uma substituição do professor e nós estamos a posicionar-nos como algo que integra. É a nossa diferenciação para a concorrência", justifica Luís. A escola LusoMusic abriu neste ano letivo, conta com 30 alunos, e as formações são um misto de aulas tradicionais e tecnológicas. Contudo, a aplicação faz parte da metodologia de ensino.

Para o futuro, a ideia é, a médio prazo, ter mais alunos, mais escolas e mais instrumentos. "O próximo passo será guitarra, bateria e baixo. Tem sido a maior procura que registamos no mercado", adianta Luís Coelho. Depois, os dois sócios querem arrancar para a multiplicação. Pretendem criar mais escolas, em regime de franchise, primeiro por Portugal e depois no estrangeiro. "Nos Estados Unidos, quem sabe. Sonhar não custa", conclui Ivo Vieira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".