À descoberta dos sons. Quando o silêncio se converte em palavras

Há 60 anos foi colocado o primeiro implante coclear, que permite a um surdo ouvir. São perto de 400 mil no mundo, e cerca de 1500 em Portugal

"Agora consigo ouvir o som da tecla do piano e da corda da guitarra". Para quem esteve 30 anos sem conseguir distinguir os sons, o ser capaz de usar o sentido que permite converter o silêncio em palavras ou melodias é um ganho incalculável, que justifica os cerca de 30 mil euros que custa um implante coclear, quando não há seguro nem Estado a comparticipar. Pelo menos esta é opinião de Leonor Napoleão, de 72 anos, que teve três anos com uma surdez profunda num dos ouvidos e com muitas dificuldade no outro.

Doente de Méniere - doença sem cura e cujos sintomas incluem ataques súbitos de vertigem, náuseas que duram entre três e 24 horas e perda auditiva - Leonor, proprietária de uma empresa familiar de vinhos, andou durante 30 anos a correr para o hospital, com crises que pensava ser da vesícula, tendo-se submetido a várias intervenções. Foi perdendo progressivamente a audição, e ao mesmo tempo a autonomia. "Sentia-me socialmente isolada, afastada de todas as pessoas. Uma das operações que fiz, há uns três anos, consistiu em desligar o ouvido do cérebro. Fiquei totalmente surda de um ouvido. Foi um período complicado porque deixei de saber andar, conduzir e de fazer grande parte das tarefas que sempre fiz. Tive de reaprender como um bebé", começou por contar Leonor Napoleão, que sob a ameaça de ficar completamente surda decidiu submeter-se a uma cirurgia, feita pela primeira vez há precisamente 60 anos, em França. Em Portugal, o primeiro implantado coclear adulto, em Portugal, data de 1985. Atualmente existem em todo o mundo perto de 400 mil implantados, dos quais perto de 1500 em Portugal, pessoas que nunca ouviram ou perderam a audição e que encontraram nesta tecnologia a solução para ultrapassaram a surdez e descobrirem (ou redescobrirem) os sons.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) revelam que a deficiência auditiva é incapacitante para cerca de 360 milhões de pessoas em todo o mundo. E segundo informação da Associação Portuguesa de Surdos, em Portugal, "estima-se que existam cerca de 120 mil pessoas com algum grau de perda auditiva, incluindo aqui os idosos, e cerca de 30 mil surdos falantes nativos de Língua Gestual Portuguesa, na sua maioria surdos severos e profundos".

O implante coclear é um aparelho, bem diferente das próteses auditivas, com capacidade para oferecer informação sonora a indivíduos com perda auditiva profunda bilateral. É um dispositivo eletrónico colocado através de uma cirurgia, que estimula o nervo auditivo.

"Fui operada em outubro, depois de ter sido avisada pelo médico de que em breve o cérebro já não iria reconhecer nada, nenhum som", explica Leonor, relatando a experiência que se seguiu: "Nos primeiros tempos, depois da cirurgia, só ouvia ruídos, depois ao fim de alguns dias, estes transformaram-se em palavras e depois passei a reconhecer a minha voz, a resdescobrir os sons. É todo um processo de adaptação e reaprendizagem. Agora, quatro meses após o implante já oiço quase tudo. Faço a minha vida normalmente, sem nenhuma limitação. O facto de me ter deixado de sentir isolada foi a maior conquista".

Hoje, dia mundial do implante coclear, sucedem-se os relatos sobre a forma como a tecnologia e a investigação nesta área provocou mudanças radicais na vida de pessoas com perda auditiva severa e/ou profunda. Natália Ventura, de 66 anos, também conta uma história de sucesso. Há dois anos sofreu uma meningite bacteriana bastante grande que a deixou em coma. Depois de um longo internamento percebeu que estava a perder a audição e em três meses ficou surda. A ex-auditora do Tribunal de Contas - beneficiária da ADSE, subsistema de saúde, que suportou grande arte das despesas - decidiu, em maio de 2016, submeter-se a um implante bilateral. "Estava completamente surda e agora já consigo ouvir os pássaros a cantar. É uma sensação maravilhosa. Tive uma vida profissional muito preenchida e ficar completamente surda de um momento para o outro, sem poder comunicar e numa idade já tardia para aprender linguagem gestual, é muito perturbador", comenta Natália, em conversa com o DN, momentos depois de fazer o "papel de avó" - ir buscar o neto ao futebol. "Voltei a ter a autonomia que perdi. De certa forma, é como se tivesse renascido", salienta.

Surdos pedem mais apoio

Esta técnica foi trazida para Portugal pelos médicos Manuel Filipe e o irmão Fernando Rodrigues, há uns 30 anos. Desde 2011 que se fazem em Portugal, nos hospitais privados, implantes coclear bilaterais simultâneos a surdos profundos, mas, nos hospitais públicos os doentes não podem ser operados aos dois ouvidos porque o Serviço Nacional de Saúde só comparticipa um implante.

Devido ao investimento inerente à colocação do IC, a verdade é que a cirurgia não está acessível a todas as carteiras. Aos 30 mil euros há que acrescentar outras parcelas: a mudança do processador de som do IC deve ser efetuada de 10 em 10 anos, e um processador novo custa uns 10 mil euros; cada avaria, por exemplo de um cabo custa 200 euros.

PCP e Bloco há vários anos que exigem do Estado que comparticipe integralmente a bilateralidade do implante coclear - há mesmo uma petição a exigir o debate do assunto no Parlamento. Mas até ao momento, ainda não houve abertura para alterar a situação, em grande parte porque o número de implantes comparticipados pelo Estado é muito menor que a lista de espera de utentes para a primeira cirurgia.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Relacionadas

Últimas notícias

Brand Story

Tui

Mais popular

  • no dn.pt
  • Sociedade
Pub
Pub