A cidadã exemplar que liderava o tráfico de marfim na Tanzânia

Yang Feng Glan é acusada de traficar marfim de 353 elefantes e de ter entregue armas a caçadores furtivos.

Yang Feng Glan pertencia à elite dos chineses na Tanzânia. Chegou na década de 1970, licenciada pela Universidade de Pequim no dialecto Suaíli, para trabalhar como tradutora na obra de um caminho de ferro. Ficou por lá. Ganhou dinheiro e reputação. Era presidente da Câmara de Comércio Chinesa e Africana para o país, proprietária do Restaurante Beijing, no centro de Dar es Salaam, dona de inúmeros imóveis espalhados pelo país, e acionista de diversas empresas com interesses no continente africano. Agora, está presa, acusada de ter liderado uma rede de tráfico de presas de elefantes, e ganhou a alcunha de "rainha do marfim".

Ainda há um ano, era um exemplo de boa integração dos chineses em África. Em entrevista ao jornal China Daily, assumia-se orgulhosamente como facilitadora de pontes entre a China e o continente, descrevendo o seu restaurante como uma plataforma de negócios informal: "Hoje em dia já não conto com o meu restaurante para fazer dinheiro. Em vez disso, vejo-o como um local onde as pessoas da China e da Tanzânia podem comunicar, fazer amizades e trocar informações."

De acordo com as acusações que enfrenta em tribunal - que lhe poderão valer entre os 20 e os 30 anos de prisão -, o restaurante seria de facto uma plataforma. Mas de tráfico ilegal. De acordo com a investigação, conduzida por uma unidade especial da polícia do país, dedicada à caça furtiva, seria ao restaurante Beijing que o marfim chegava, dissimulado em carregamentos de arroz.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...