A aventura asiática: Japão paga bolsas a alunos portugueses

Em 2015, candidataram-se 95 estudantes ao programa, sobretudo nas áreas de engenharia e arquitetura. Bolsas são a partir de 1100 euros

Ângela Santos estudava tsunamis em Portugal e, como já trabalhava com um professor japonês, resolveu candidatar-se à bolsa que a embaixada deste país abre anualmente para estudantes portugueses. Partiu em 2003 e o que era uma bolsa de um ano e meio acabou numa estadia de cinco anos. Fez mestrado e doutoramento em terras nipónicas e se a tese com que finalizou os estudos é sobre um tema bem português - O sismo e o tsunami de 1755 - Ângela Santos chegou de Sendai com um Research Encouragement Award (Prémio de Encorajamento à Investigação) da Japan Society of Civil Engeneers.

Investigadora no Centro de Estudos Geográficos do Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa, a geógrafa de 39 anos é um exemplo de quem procura esta iniciativa da embaixada nipónica para completar os estudos no estrangeiro. Já lá vão 30 anos de atribuição desta bolsa, que tem novamente candidaturas abertas até ao dia 30 de junho para o próximo período letivo.

Quem quer ir para o Japão?

De acordo com dados da embaixada do Japão no ano passado candidataram-se à bolsa 95 estudantes portugueses. Nos anos anteriores as candidaturas rondaram sempre as 50, com exceção de 2013, em que ultrapassaram uma centena. Mais precisamente, foram 112. A embaixada não tem explicações para este número recorde, mas uma questão que pode não ser irrelevante é que ele coincide com o pico da crise económica em Portugal. Não há limitações quanto à área de estudo dos candidatos, mas, ainda de acordo com os dados da embaixada, a maior parte vem das áreas de engenharia, arquitetura, ciências ou relações internacionais.

Aquele que, à partida, será um dos maiores obstáculos a ultrapassar pelos candidatos - a língua - não consta dos requisitos iniciais. Os primeiros seis meses passados no Japão são precisamente para isso - um curso intensivo de japonês. Não dá para falar fluentemente, dá para "sobreviver", diz Ângela Santos. Não é um problema, mesmo e m termos académicos, garante, nas universidades fala-se inglês. Com um apoio monetário a partir de 1100 euros mensais, também o custo de vida não é um obstáculo, diz a investigadora: "A bolsa paga as despesas."

Organização e pontualidade

Do outro lado, que perfil procura a embaixada para a atribuição destas bolsas? Natsuki Konagaya, diplomata responsável pela Informação e Assuntos Culturais da embaixada nipónica, em Lisboa, sublinha que as bolsas se destinam a quem "está motivado, tem objetivos muito claros e tem interesse no Japão". E a "quem pode no futuro contribuir para estreitar as relações entre os dois países com base na sua experiência no Japão", acrescenta. Uma das preocupações da embaixada passa por manter o contacto com os ex-bolseiros, quando estes regressam a Portugal. Daqui resultou o apoio à criação de uma associação de antigos alunos, que nasceu em 2010.

Apesar da distância, a todos os níveis, entre os dois países, Ângela garante que não teve um grande choque cultural. "A grande dificuldade foram as condições climatéricas, tempo quente com 90% de humidade é uma coisa horrorosa. E depois neva no inverno", diz ao DN a geógrafa, que elege a organização e a pontualidade como as características dos nipónicos que mais a surpreenderam - por oposição ao que estava habituada em Portugal. Foi uma experiência muito positiva, garante: "Só não fiquei lá porque não há emprego."

Da experiência ficaram amigos japoneses com quem mantêm contacto. Entretanto, já regressou três vezes nos últimos anos, também por razões profissionais. A cidade onde estudou, Sendai, na região de Tohoku, esteve no centro do violento sismo - e do posterior tsunami - que atingiu o país em 2011, e destruiu parte da região.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)