50 cientistas podem vir a ganhar 650 mil dólares cada um

É um cientista português em início de carreira e com provas dadas na investigação biomédica? Então este concurso é para si

Um programa internacional de bolsas de investigação que irá apoiar até 50 cientistas de excelência em início de carreira é hoje lançado. A Fundação Gulbenkian é um dos parceiros.

Envolvendo uma verba total de 37.4 milhões de dólares, a cada um dos 50 cientistas selecionados para este programa será atribuída uma bolsa de 650 mil dólares, ao longo de cinco anos. As candidaturas são abertas a cientistas que tenham feito formação nos Estados Unidos ou no Reino Unido, pelo menos durante um ano. Para além disso, os cientistas só serão elegíveis se tiverem os seus laboratórios há menos de sete anos, em países que não façam parte do G7 (Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos) ou alvo de sanções por parte dos EUA. Portugal é, assim, elegível neste concurso, comunicou hoje a Fundação Gulbenkian.

A Fundação Gulbenkian associou-se ao Howard Hughes Medical Institute (HHMI), à Bill & Melinda Gates Foundation e ao Wellcome Trust para desenvolver talentos científicos à escala mundial. No concurso internacional que é agora lançado procuram-se investigadores de topo em início de carreira em vários campos da investigação biomédica.

Os investigadores interessados podem submeter as suas candidaturas até 30 de junho no site do HHMI. (http://www.hhmi.org/research/application/irs2017). Os finalistas serão anunciados em abril de 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.