50 cientistas podem vir a ganhar 650 mil dólares cada um

É um cientista português em início de carreira e com provas dadas na investigação biomédica? Então este concurso é para si

Um programa internacional de bolsas de investigação que irá apoiar até 50 cientistas de excelência em início de carreira é hoje lançado. A Fundação Gulbenkian é um dos parceiros.

Envolvendo uma verba total de 37.4 milhões de dólares, a cada um dos 50 cientistas selecionados para este programa será atribuída uma bolsa de 650 mil dólares, ao longo de cinco anos. As candidaturas são abertas a cientistas que tenham feito formação nos Estados Unidos ou no Reino Unido, pelo menos durante um ano. Para além disso, os cientistas só serão elegíveis se tiverem os seus laboratórios há menos de sete anos, em países que não façam parte do G7 (Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos) ou alvo de sanções por parte dos EUA. Portugal é, assim, elegível neste concurso, comunicou hoje a Fundação Gulbenkian.

A Fundação Gulbenkian associou-se ao Howard Hughes Medical Institute (HHMI), à Bill & Melinda Gates Foundation e ao Wellcome Trust para desenvolver talentos científicos à escala mundial. No concurso internacional que é agora lançado procuram-se investigadores de topo em início de carreira em vários campos da investigação biomédica.

Os investigadores interessados podem submeter as suas candidaturas até 30 de junho no site do HHMI. (http://www.hhmi.org/research/application/irs2017). Os finalistas serão anunciados em abril de 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.