34% do lixo dos portugueses foi para aterro. É bom mas não chega

Dados de 2015 são melhores que os de 2014, mas objetivo é chegar aos 10%

O secretário de Estado do Ambiente revelou hoje que, em 2015, 34% do lixo produzido pelos portugueses foi depositado em aterro, o que "está longe do desejável", mas reflete uma evolução.

"Os dados de 2015, que vão ser editados ainda durante dezembro, permitem dizer que só 34%" do lixo vai para aterro, o que, "face à nossa situação recente, é uma evolução que devemos realçar", disse hoje Carlos Martins, em declaração à agência Lusa.

O governante salientou que "a tendência para a não deposição em aterro vem das políticas estratégicas de há alguns anos".

"Estamos longe dos 10 ou 15% que seriam desejáveis, mas, por um lado, temos cumprido o desvio de matéria orgânica dos aterros" referiu o secretário de Estado.

"A quantidade que vai para aterro está nos 34% mercê dos investimentos fortes feitos em infraestruturas, nomeadamente nos tratamentos mecânicos e biológicos", explicou o responsável do Ministério do Ambiente.

Em 2014, segundo o último Relatório do Estado do Ambiente, elaborado pela APA, a deposição em aterro era o destino de 42% do lixo.

O objetivo é a eliminação progressiva do encaminhamento de resíduos para aterro de modo a conseguir acabar com a deposição direta de lixo urbano em aterro até 2030.

Os resíduos urbanos produzidos em Portugal continental em 2014 atingiram 4,474 milhões de toneladas e foram sujeitos, além da deposição em aterro, a valorização energética (19%), tratamento mecânico e biológico (19%), valorização material (9%), tratamento mecânico (9%) e valorização orgânica (2%).

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.