2.ª Circular vai ter freixos em vez de lódãos

Muda espécie no separador junto ao aeroporto. Duração das obras será de oito meses e custo da intervenção sobe para 12,2 milhões

O separador central da 2.ª Circular, que em 66% da via de dez quilómetros passará a ter 3,5 metros de largura, terá freixos e não lódãos-bastardos "entre os cones de aproximação das pistas" do Aeroporto de Lisboa. A opção por uma espécie que existe já no talude da Portela é uma das alterações introduzidas pela Câmara Municipal de Lisboa (CML) no projeto de remodelação daquela estrada, que será apreciado na quarta-feira pelo executivo liderado por Fernando Medina (PS).

As obras, com início anunciado para junho ou julho, prolongar-se-ão durante oito meses e representam um investimento de 12,2 milhões de euros (sem IVA). Inicialmente, a previsão era de que os trabalhos durassem 11 meses e de que o investimento fosse de 12 milhões de euros (com IVA).

O debate, intenso, prolongou-se por quase dois meses, incluiu uma consulta pública e só terminou quando, no primeiro dia deste mês, a Assembleia Municipal de Lisboa aprovou um conjunto de recomendações à CML que incluíam a aceitação da plantação de árvores no separador central da 2.ª Circular mas em termos que salvaguardassem a segurança rodoviária e prevenissem a "fixação excessiva de aves" que pudessem "constituir risco para o tráfego aéreo" e a instalação de uma "guarda de segurança" que acautelasse o "risco de colisão de veículos automóveis com as espécies vegetais a plantar". Ambas constam da proposta de contratação da empreitada, com recurso a concurso público internacional, que será agora debatida e votada pelo executivo e a que o DN teve ontem acesso.

Segundo o vereador do Urbanismo, subscritor do documento, entre as principais alterações ao projeto inicial estão a aplicação de "um sistema de retenção de veículos em toda a extensão do separador" central e a plantação de freixos no eixo "entre os cones de aproximação das pistas" do aeroporto. De acordo com Manuel Salgado, e tendo em vista a segurança dos automobilistas, serão ainda criadas nas ligações entre a 2.ª Circular e a A1 e o IC19 "zonas de transição com uma extensão desejável de 300 metros", materializadas em "pavimentos mais rugosos, marcas horizontais e sinalização vertical que introduzam um efeito de "porta"". Já a pensar nos peões, "está a ser estudada a possibilidade" de passar a existir "uma nova travessia pedonal desnivelada entre a Avenida de Berlim e o nó do Prior Velho", uma zona onde têm sido registados atropelamentos.

Igualmente a ser equacionada está a criação de vias BUS "nos ramos de acesso do Campo Grande e junto ao Estádio da Luz", de modo a aumentar a velocidade de circulação da 750, a única carreira da Carris que passa na 2.ª Circular e que é utilizada anualmente por cinco milhões de pessoas. Na sua recomendação, o parlamento da cidade defendera que a intervenção que irá agora sair do papel deverá ser apenas o primeiro de uma requalificação de maior dimensão que privilegiasse o papel desempenhado pelos transportes públicos.

A repavimentação da via rápida em toda a sua extensão, a reabilitação do sistema de drenagem, a substituição da iluminação por outra mais eficiente, a redução da velocidade máxima permitida de 80 km/h para 60 km/h e a colocação de radares são algumas das medidas que se mantêm relativamente ao projeto inicial. Os trabalhos decorrerão durante a noite.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)