2.ª Circular vai ter freixos em vez de lódãos

Muda espécie no separador junto ao aeroporto. Duração das obras será de oito meses e custo da intervenção sobe para 12,2 milhões

O separador central da 2.ª Circular, que em 66% da via de dez quilómetros passará a ter 3,5 metros de largura, terá freixos e não lódãos-bastardos "entre os cones de aproximação das pistas" do Aeroporto de Lisboa. A opção por uma espécie que existe já no talude da Portela é uma das alterações introduzidas pela Câmara Municipal de Lisboa (CML) no projeto de remodelação daquela estrada, que será apreciado na quarta-feira pelo executivo liderado por Fernando Medina (PS).

As obras, com início anunciado para junho ou julho, prolongar-se-ão durante oito meses e representam um investimento de 12,2 milhões de euros (sem IVA). Inicialmente, a previsão era de que os trabalhos durassem 11 meses e de que o investimento fosse de 12 milhões de euros (com IVA).

O debate, intenso, prolongou-se por quase dois meses, incluiu uma consulta pública e só terminou quando, no primeiro dia deste mês, a Assembleia Municipal de Lisboa aprovou um conjunto de recomendações à CML que incluíam a aceitação da plantação de árvores no separador central da 2.ª Circular mas em termos que salvaguardassem a segurança rodoviária e prevenissem a "fixação excessiva de aves" que pudessem "constituir risco para o tráfego aéreo" e a instalação de uma "guarda de segurança" que acautelasse o "risco de colisão de veículos automóveis com as espécies vegetais a plantar". Ambas constam da proposta de contratação da empreitada, com recurso a concurso público internacional, que será agora debatida e votada pelo executivo e a que o DN teve ontem acesso.

Segundo o vereador do Urbanismo, subscritor do documento, entre as principais alterações ao projeto inicial estão a aplicação de "um sistema de retenção de veículos em toda a extensão do separador" central e a plantação de freixos no eixo "entre os cones de aproximação das pistas" do aeroporto. De acordo com Manuel Salgado, e tendo em vista a segurança dos automobilistas, serão ainda criadas nas ligações entre a 2.ª Circular e a A1 e o IC19 "zonas de transição com uma extensão desejável de 300 metros", materializadas em "pavimentos mais rugosos, marcas horizontais e sinalização vertical que introduzam um efeito de "porta"". Já a pensar nos peões, "está a ser estudada a possibilidade" de passar a existir "uma nova travessia pedonal desnivelada entre a Avenida de Berlim e o nó do Prior Velho", uma zona onde têm sido registados atropelamentos.

Igualmente a ser equacionada está a criação de vias BUS "nos ramos de acesso do Campo Grande e junto ao Estádio da Luz", de modo a aumentar a velocidade de circulação da 750, a única carreira da Carris que passa na 2.ª Circular e que é utilizada anualmente por cinco milhões de pessoas. Na sua recomendação, o parlamento da cidade defendera que a intervenção que irá agora sair do papel deverá ser apenas o primeiro de uma requalificação de maior dimensão que privilegiasse o papel desempenhado pelos transportes públicos.

A repavimentação da via rápida em toda a sua extensão, a reabilitação do sistema de drenagem, a substituição da iluminação por outra mais eficiente, a redução da velocidade máxima permitida de 80 km/h para 60 km/h e a colocação de radares são algumas das medidas que se mantêm relativamente ao projeto inicial. Os trabalhos decorrerão durante a noite.

Exclusivos

Premium

Clássico

Mais de 55 milhões de euros separam plantéis de Benfica e FC Porto

Em relação à época passada, os encarnados ultrapassaram os dragões no que diz respeito à avaliação do plantel. Bruno Lage tem à sua disposição um lote de jogadores avaliado em 310,7 milhões de euros, já Sérgio Conceição tem nas mãos um grupo que vale 255,5 milhões. Neste sábado, no Estádio da Luz, defrontam-se pela primeira vez esta temporada.