2.ª Circular: requalificação não avança neste mandato

Em setembro do ano passado, a Câmara anulou o concurso e abriu um inquérito para averiguar eventuais conflitos de interesses por parte de um projetista que também comercializa a mistura betuminosa

A requalificação da Segunda Circular, em Lisboa, pensada para melhorar a fluidez do tráfego e a segurança, já não vai avançar neste mandato, depois de a empreitada ter sido suspensa por suspeita de conflito de interesses.

"Neste mandato, estão a avançar os estudos. Em termos práticos, entre fazer estudos, lançar empreitadas, o prazo concursal, visto do Tribunal de Contas e início de obras, não é viável começar as obras neste mandato", afirmou à agência Lusa o vereador do Urbanismo, Manuel Salgado.

Em setembro do ano passado, a Câmara anulou o concurso da Segunda Circular e abriu um inquérito para averiguar eventuais conflitos de interesses, detetados pelo júri do procedimento, por parte de um projetista que também comercializa a mistura betuminosa que iria ser usada no piso.

A decisão levou à paragem da obra (iniciada dois meses antes) num troço mais pequeno da Segunda Circular, entre o nó do Regimento de Artilharia de Lisboa e a Avenida de Berlim, por a equipa ser a mesma.

"Foi constituído [um júri], com entidades externas ao próprio município, para fazer uma auditoria interna. Acho que essa auditoria vai, no fundo, confirmar aquilo que foi o relatório feito pelos serviços da câmara, de que efetivamente não havia possibilidades de prosseguir", indicou o vereador.

Segundo Manuel Salgado, a autarquia está agora a "fazer uma reflexão sobre o projeto todo, como foi delineado, para o retomar".

"Na discussão que foi feita na Assembleia Municipal, foram levantadas várias hipóteses [...] e várias forças políticas entendiam que devíamos ter ido mais além, que devíamos ter introduzido o transporte público [metro à superfície] na Segunda Circular. É isso que estamos neste momento a discutir", precisou.

Questionado sobre se a criação de metro à superfície poderá ser uma realidade naquela via rápida com cerca de 13 quilómetros, o vereador referiu que a solução "tem de ser estudada".

"Nós temos de ter uma forte aposta no transporte público. Há outro aspeto que é relevante e que não estava em cima da mesa quando se fez o estudo para a Segunda Circular, que é o problema do aeroporto de Lisboa", realçou Manuel Salgado, recordando que em breve o Governo deverá decidir sobre a criação de um terminal complementar no Montijo.

Por isso, "há que se repensar as acessibilidades ao aeroporto e isso tem reflexos no próprio projeto da Segunda Circular", acrescentou.

Além desta intervenção, vista pelo autarca como "absolutamente indispensável" e "urgente", o município já avançou com arranjos "em vários sítios para melhorar o pavimento e diminuir as situações de risco".

"Foi também feita uma intervenção ao nível da iluminação e ainda vai prosseguir, e está em curso a instalação dos radares para controlo de velocidade na Segunda Circular", especificou.

Prevista está ainda a reformulação do nó rodoviário entre o Campo Grande e a Segunda Circular, obra que "está para arrancar a muito curto prazo".

"Vai melhorar bastante [a circulação], porque vai permitir a quem vem da Segunda Circular e vai para a Avenida Padre Cruz entrar diretamente sem interferir com o trânsito que passa ao nível do chão", indicou Manuel Salgado.

Tendo o intuito de melhorar a fluidez do tráfego e conferir mais segurança à Segunda Circular, a maioria PS no município propôs-se a requalificar a via, o que passa por diminuir o tráfego de atravessamento, através da reformulação de alguns acessos e dos nós de acesso, e por reduzir a velocidade de 80 para 60 quilómetros/hora.

O município pretende também criar um separador central maior e arborizado.

Falando à Lusa, o vereador do PSD António Prôa defendeu que "é um alívio" a obra não avançar já, porque "seria mais uma" a acrescer às que estão em curso.

Já o comunista Carlos Moura e o centrista João Gonçalves Pereira mostraram-se céticos quanto a uma futura concretização da empreitada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.