2.ª Circular: requalificação não avança neste mandato

Em setembro do ano passado, a Câmara anulou o concurso e abriu um inquérito para averiguar eventuais conflitos de interesses por parte de um projetista que também comercializa a mistura betuminosa

A requalificação da Segunda Circular, em Lisboa, pensada para melhorar a fluidez do tráfego e a segurança, já não vai avançar neste mandato, depois de a empreitada ter sido suspensa por suspeita de conflito de interesses.

"Neste mandato, estão a avançar os estudos. Em termos práticos, entre fazer estudos, lançar empreitadas, o prazo concursal, visto do Tribunal de Contas e início de obras, não é viável começar as obras neste mandato", afirmou à agência Lusa o vereador do Urbanismo, Manuel Salgado.

Em setembro do ano passado, a Câmara anulou o concurso da Segunda Circular e abriu um inquérito para averiguar eventuais conflitos de interesses, detetados pelo júri do procedimento, por parte de um projetista que também comercializa a mistura betuminosa que iria ser usada no piso.

A decisão levou à paragem da obra (iniciada dois meses antes) num troço mais pequeno da Segunda Circular, entre o nó do Regimento de Artilharia de Lisboa e a Avenida de Berlim, por a equipa ser a mesma.

"Foi constituído [um júri], com entidades externas ao próprio município, para fazer uma auditoria interna. Acho que essa auditoria vai, no fundo, confirmar aquilo que foi o relatório feito pelos serviços da câmara, de que efetivamente não havia possibilidades de prosseguir", indicou o vereador.

Segundo Manuel Salgado, a autarquia está agora a "fazer uma reflexão sobre o projeto todo, como foi delineado, para o retomar".

"Na discussão que foi feita na Assembleia Municipal, foram levantadas várias hipóteses [...] e várias forças políticas entendiam que devíamos ter ido mais além, que devíamos ter introduzido o transporte público [metro à superfície] na Segunda Circular. É isso que estamos neste momento a discutir", precisou.

Questionado sobre se a criação de metro à superfície poderá ser uma realidade naquela via rápida com cerca de 13 quilómetros, o vereador referiu que a solução "tem de ser estudada".

"Nós temos de ter uma forte aposta no transporte público. Há outro aspeto que é relevante e que não estava em cima da mesa quando se fez o estudo para a Segunda Circular, que é o problema do aeroporto de Lisboa", realçou Manuel Salgado, recordando que em breve o Governo deverá decidir sobre a criação de um terminal complementar no Montijo.

Por isso, "há que se repensar as acessibilidades ao aeroporto e isso tem reflexos no próprio projeto da Segunda Circular", acrescentou.

Além desta intervenção, vista pelo autarca como "absolutamente indispensável" e "urgente", o município já avançou com arranjos "em vários sítios para melhorar o pavimento e diminuir as situações de risco".

"Foi também feita uma intervenção ao nível da iluminação e ainda vai prosseguir, e está em curso a instalação dos radares para controlo de velocidade na Segunda Circular", especificou.

Prevista está ainda a reformulação do nó rodoviário entre o Campo Grande e a Segunda Circular, obra que "está para arrancar a muito curto prazo".

"Vai melhorar bastante [a circulação], porque vai permitir a quem vem da Segunda Circular e vai para a Avenida Padre Cruz entrar diretamente sem interferir com o trânsito que passa ao nível do chão", indicou Manuel Salgado.

Tendo o intuito de melhorar a fluidez do tráfego e conferir mais segurança à Segunda Circular, a maioria PS no município propôs-se a requalificar a via, o que passa por diminuir o tráfego de atravessamento, através da reformulação de alguns acessos e dos nós de acesso, e por reduzir a velocidade de 80 para 60 quilómetros/hora.

O município pretende também criar um separador central maior e arborizado.

Falando à Lusa, o vereador do PSD António Prôa defendeu que "é um alívio" a obra não avançar já, porque "seria mais uma" a acrescer às que estão em curso.

Já o comunista Carlos Moura e o centrista João Gonçalves Pereira mostraram-se céticos quanto a uma futura concretização da empreitada.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...