120 quilos de cocaína apreendidos em veleiro na Madeira diziam "Messi"

Os pacotes de cocaína apreendidos esta segunda-feira na Madeira tinham prensados a inscrição "Messi"

Os 105 pacotes de cocaína prensados, num total de 122 quilogramas e no valor de 3,5 milhões de euros apreendidos segunda-feira a bordo do veleiro "Calma", na marina da Calheta, a oeste da Madeira, tinham a inscrição "Messi".

O Departamento de Investigação Criminal da Policia Judiciária no Funchal mostrou hoje à comunicação social os 105 volumes de cocaína apreendidos e, em cada um, depois de retirados os invólucros que os envolviam, apresentavam prensada a inscrição "Messi".

Em comunicado, a Polícia Judiciária (PJ) confirmou, entretanto, a detenção na segunda-feira, na marina da Calheta, de dois suspeitos por crime de tráfico de estupefacientes que viajavam no veleiro, ambos de 42 anos de idade e naturais de Espanha e do Uruguai.

A PJ realça que a operação teve a cooperação da UNCTE (Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes), do MAOC (entidade que centraliza toda a informação internacional ligada ao tráfico de estupefacientes) e a colaboração da Guarda Nacional Republicana (GNR).

O veleiro provinha de um país da América Central e, supostamente, dirigia-se para a Espanha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."