Dois alunos da Universidade Fernando Pessoa barricaram-se e ameaçaram fazer-se explodir

Os dois homens, de 50 e 30 anos, fecharam-se numa casa de banho de um dos polos daquela universidade exigindo falar com o reitor e ameaçaram "explodem aquilo tudo". PSP resolveu a situação após cerca de duas horas e meia

Dois alunos da Universidade Fernando Pessoa, no Porto, revoltados com uma situação de créditos que os impediu de passar o ano, barricaram-se cerca das 16:00 numa das casas de banho daquela instituição e ameaçaram fazer-se explodir, referiu fonte policial. A situação acabou cerca de duas horas e meia depois, com os negociadores da PSP a demover os indivíduos.

Os homens serão pai e filho e fecharam-se numa das casas de banho do edifício das pós-graduações, exigindo falar com alguém da reitoria. O pai terá dito aos funcionários da universidade e à PSP que estava armado.

A PSP do Porto acabou por evacuar o pólo das pós-graduações enquanto negociava com os dois homens. Um processo que durou até cerca das 18:30.

Aos jornalistas, a subcomissário Sílvia Caçador informou que "foi solicitado através do 112 apoio desta polícia pela Universidade Fernando Pessoa, por haver notícia de que dois indivíduos do sexo masculino se encontravam fechados numa sala ameaçando suicidarem-se".

Numa declaração sem direito a perguntas, a responsável explicou que depois do alerta "foram acionados meios para o local, tendo-se confirmado a situação, não havendo armas envolvidas ou qualquer refém".

Acrescentou que "foi iniciado o diálogo, tendo sido possível demovê-los das suas intenções pelas 18:30, não se registando quaisquer incidentes".

De acordo com a PSP, os dois "indivíduos foram conduzidos ao departamento policial para identificação e para elaboração do respetivo expediente, que será encaminhado para entidades competentes".

O aparato policial envolveu dezenas de agentes, incluindo do Corpo de Intervenção e pelo menos seis veículos, que chegou a cortar o trânsito nas duas vias de acesso à entrada da Fernando Pessoa, frente ao jardim da Arca d'Água.

Pelas 19:30, e segundo constatou a Lusa no local, a circulação já tinha sido retomada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.