Presidente da Câmara de Mação diz que já ardeu quase metade da área florestal

Incêndio começou no passado domingo

O presidente da Câmara de Mação, distrito de Santarém, disse esta quarta-feira que já arderam mais de 15 mil hectares, quase metade da área florestal do concelho, durante o incêndio que começou no domingo e se mantém ativo.

"Temos 40 mil hectares, estamos a falar de quase metade do concelho. O fogo ainda não acabou, com total sinceridade não sabemos onde é que pode parar e quando pode parar", disse Vasco Estrela aos jornalistas.

Hoje de manhã, o vice-presidente do município, António Louro, estimou que perto de 20 mil hectares tivessem ardido no concelho, referindo haver cinco a sete casas de primeira habitação destruídas.

Ao início da tarde, Vasco Estrela mantém a preocupação de que o incêndio - que mantém três focos ativos, dois deles perto da sede do município - possa atingir a vila de Mação.

O presidente disse à Lusa que uma das frentes de fogo "está a dois, três quilómetros, em linha reta" da sede do concelho e que as chamas, nessa frente, estão a tomar um percurso idêntico ao do incêndio de 2003, um dos mais gravosos desse ano.

Um outro foco que preocupa os bombeiros situa-se na zona do parque eólico de Brejo, onde, de acordo com o autarca, as chamas lavram "com grande intensidade" e as autoridades estão a preparar a eventualidade de evacuar a aldeia de Eiras.

No entanto, Vasco Estrela sublinhou que "está longe de haver risco iminente" para a população de Eiras e que uma eventual evacuação da povoação se justifica "para prevenir que alguma coisa de mal possa acontecer".

O outro foco de incêndio ainda ativo localiza-se do lado norte da vila de Mação, na zona de Pereiro, indicou o autarca.

Vasco Estrela voltou ainda a insistir na necessidade das autoridades, nomeadamente "as pessoas que têm responsabilidades no despacho de meios" para o incêndio de Mação, durante os últimos dias, venham dar "as devidas explicações".

"Tenho o direito de saber os critérios que estão na base das decisões que foram tomadas ao longo das horas deste fogo. Tenho estado aqui [no posto de comando] em permanência praticamente todo o tempo, assisti a muitos procedimentos e muitas tomadas de decisão. Vou exigir em nome da população deste concelho de Mação que justifiquem decisões que foram tomadas", argumentou o autarca.

Vasco Estrela diz que quando o incêndio terminar, quer que seja feita uma avaliação dos danos causados em Mação, mas também nos concelhos da Sertã - onde o incêndio começou domingo - e Proença-a-Nova (ambos nos distritos de Castelo Branco), os meios que combateram as chamas nos três municípios, quantas localidades foram evacuadas e pessoas deslocalizadas, "para saber se há aqui consequências diretas ou indiretas sobre tudo o que aconteceu", frisou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG