Histórico do tráfico nacional é suspeito de corromper chefes da PJ

Detidos dois inspetores e um cabo da GNR, suspeitos de receber luvas de traficantes. Franclim Lobo é um dos alvos

Os caminhos de Dias Santos e Franclim Lobo cruzaram-se por várias vezes nos anos 1990 e 2000. O primeiro era uma "estrela" da Polícia Judiciária (PJ) no combate ao tráfico de droga. O outro era considerado um dos maiores traficantes de droga portugueses, tendo sido várias vezes investigado e condenado por aquele crime. Agora estão ambos, juntamente com o inspetor Ricardo Macedo, na mesma situação: são suspeitos de corrupção passiva e ativa. Ontem, a PJ deteve os dois inspetores - Dias Santos já está reformado -, um cabo da GNR e mais 12 pessoas. Segundo informações recolhidas pelo DN, Franclim Lobo é um dos "alvos" da investigação, podendo ser em breve detido.

A Operação Aquiles, como a PJ lhe chamou, foi desencadeada às primeiras horas da manhã de ontem. Quase 200 inspetores foram mobilizados para o terreno, fazendo 120 buscas e efetuando detenções: 15 pessoas. Dias Santos foi um deles, assim como Ricardo Macedo, que foi detido por colegas da Unidade Nacional contra a Corrupção quando chegou às instalações da PJ. Ambos são suspeitos de, durante anos, terem recebido dinheiro de traficantes de droga para passar informação ou até para travar investigações. Franclim Lobo será um desses que contariam com a colaboração das duas "toupeiras" da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes. Ontem, contactado pelo DN, Vítor Carreto Ribeiro, advogado que o representa em vários processos, afirmou desconhecer o seu paradeiro. O DN sabe, porém, que Franclim Lobo poderá já estar localizado em Espanha.

Ao que o DN apurou, os pagamentos seriam realizados em numerário, provavelmente através de intermediários, o que dificultou a investigação a este caso, já que não existiam movimentos bancários que indiciassem uma anormal circulação de dinheiro.

Casa em Cascais

Terá sido um recente negócio imobiliário feito por Dias Santos, em Cascais, que acabou por dar à investigação a pista que faltava: o rasto do dinheiro. Ao que o DN apurou, o antigo coordenador da Judiciária terá comprado uma casa cujo valor estará bem acima dos seus rendimentos. Carlos Dias Santos é um histórico da PJ que esteve até 2011 na polícia, num total de 34 anos de serviço. Em 2008 foi um dos principais investigadores da Direção Central de Investigação de Tráfico de Estupefacientes. Entre 2003 e 2008, apreendeu 37 toneladas de haxixe, quase nove toneladas de cocaína, 221 quilos de heroína e cerca de 12 milhões de euros provenientes do tráfico de droga. Em novembro de 2008 foi afastado da UNCTE pela Direção Nacional da PJ devido a uma denúncia interna.

Ricardo Macedo também fez a sua carreira de inspetor no combate ao tráfico de droga, tendo trabalhado, aliás, lado a lado com Dias Santos (colega de curso do atual diretor nacional da PJ, Almeida Rodrigues). Este foi, até sair da UNCTE, o seu superior hierárquico na mesma brigada. Tal como Dias Santos, terá recebido milhares de euros de traficantes. A investigação teve início após uma denúncia chegada ao Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP). A mesma revelava o alegado desaparecimento de um carregamento de centenas de quilos de cocaína de um contentor descarregado no porto de Sines, no verão de 2013. Na mesma altura foi apreendida no porto de Lisboa uma carga de 811 quilos de cocaína. Mas aos mesmos suspeitos terão desaparecido 500 quilos da mesma droga, que foram depois apreendidos na Grécia em circunstâncias por esclarecer.

Ontem, o diretor nacional adjunto da Judiciária foi à UNCTE "dar uma palavra de confiança", segundo uma fonte, aos inspetores, que há poucos anos foram também confrontados com o caso da inspetora Ana Paula Matos, condenada por desviar dinheiro apreendido nas investigações.

As 15 pessoas detidas serão presentes, hoje, a um juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal, que tanto pode ser Carlos Alexandre como Ivo Rosa. Os procuradores desta investigação são Vítor Magalhães e João Melo, do DCIAP. Dias Santos tem como advogado Melo Alves, que durante anos defendeu suspeitos de tráfico presos pelo agora cliente.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG