Higiene, sinalização e discriminação foram as infrações detetadas pela ASAE no Urban

Os inspetores da ASAE fizeram várias visitas à Urban Beach, algumas motivadas pela falta de licenciamento para a atividade. Instauram processos contraordenacionais e crime

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) abriu vários processos contraordenacionais e crime aos proprietários da discoteca Urban Beach, em Lisboa. Na origem destas ações, estão "a falta de afixação das informações ao público nos estabelecimento de restauração e bebidas, a recusa em facultar o livro de reclamações e instruções ou ordens com vista à discriminação direta ou indireta", bem como "o incumprimento dos requisitos de higiene" e "a falta de sinalização ou sinalização incorreta".

É a resposta da porta-voz daquela estrutura ao DN sobre as operações de fiscalização realizadas àquele espaço de diversão noturna, umas por iniciativa própria e outras desencadeadas pelos autos de notícia da PSP e por denúncias, nomeadamente de pessoas que se queixam de discriminação no acesso.

Destacam-se como principais matérias, explica a ASAE, "a usurpação de direitos de autor e direitos conexos, a falta de mera comunicação prévia e de afixação das informações a disponibilizar ao público nos estabelecimento de restauração e bebidas, a recusa em facultar o livro de reclamações e instruções ou ordens com vista à discriminação direta ou indireta".

Uma das pessoas que acusa a gerência da Urban Beach de discriminação é o atleta olímpico Nelson Évora, em 2014, mas este tipo de protestos é "recorrente não só neste como em outros espaços noturnos", denunciam os dirigentes do SOS Racismo. E a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial confirmou ao DN a existência de uma ação este ano.

A falta de licenciamento para a atividade de diversão noturna com dança motivaram várias visitas dos inspetores da ASAE e levaram à instauração de processos contraordenacionais. Há pelo menos dois anos que o documento não era apresentado nas vistorias ao Urban, o que originou contraordenações. A estrutura esclarece, no entanto, que não é da sua responsabilidade o encerramento de um espaço naquelas condições. Segundo o Observador, a PSP instaurou 12 processos por falta de licença de utilização.

As principais infrações detetadas pela ASAE entre 2009 e 2016 referem-se "ao incumprimento dos requisitos gerais e específicos de higiene, à falta de condições de temperaturas de armazenagem e de sinalização ou sinalização incorreta e à desobediência dos requisitos de instalação e de ao funcionamento e classificação". Acrescenta a ASAE que também os outros estabelecimentos do Grupo K foram alvo de inspeção e que não diminuíram as ações de fiscalização aos estabelecimentos noturnos 2016.

A Urban Beach foi inaugurada em 2009 no espaço anteriormente ocupado pelo Kubo, que só abria durante os meses de verão.

O DN tem tentado contactar Paulo Dâmaso, o administrador responsável pela Urban Beach, sem sucesso. Os responsáveis da discoteca apresentaram na quinta-feira uma providência cautelar no Tribunal Administrativo de Lisboa contra o Ministério da Administração Interna. O objetivo é suspender a ordem de encerramento do espaço no dia 3 de novembro. Uma decisão na sequência das agressões de três seguranças a duas pessoas, que foram gravadas e correram as redes sociais. Ouvidos em tribunal, dois ficaram em prisão preventiva, indiciados pelo crime de homicídio na forma tentada, e o terceiro saiu em liberdade com termo de identidade e residência, de ofensas à integridade física.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...