Funerais das vítimas do acidente em França reúnem centenas de pessoas

Na pequena freguesia de Espadanedo, as bermas da estrada junto à igreja e ao cemitério encheram-se de carros

Várias centenas de pessoas assistiram hoje à tarde ao funeral do casal e da menina de Cinfães que morreram na semana passada num acidente rodoviário em França, no qual mais nove emigrantes portugueses perderam a vida.

Na pequena freguesia de Espadanedo, as bermas da estrada junto à igreja e ao cemitério encheram-se de carros, como constatou a Lusa.

Ainda antes da missa de corpo presente de Jorge Cardoso (39 anos), Angelina Silva (28) e Marta Cardoso (7), o concelho de Cinfães, no distrito de Viseu, despediu-se de Sérgio Costa (35), na freguesia de Travanca. Para esta tarde estão marcadas as cerimónias fúnebres das restantes vítimas mortais, noutros seis municípios.

Segundo uma nota divulgada no site da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa "solicitou aos presidentes das câmaras dos concelhos de origem" das 12 vítimas "para o representarem nos enterros e para apresentarem condolências pessoais às famílias".

Algumas centenas de pessoas integraram também hoje, em Pombal, o funeral da jovem de 17 anos que morreu no acidente. Pouco passava das 16.00 quando a urna branca com os restos mortais de Inês Francisco deu entrada na Igreja Paroquial de Pombal, depois de o corpo ter estado desde manhã em câmara ardente, num outro templo, a Igreja do Carmo, também no centro histórico da cidade.

No início da cerimónia, interveio uma antiga catequista de Inês Francisco, que entoou um cântico litúrgico com outras pessoas, realçando que, nalguns casos, "cantar é rezar duas vezes".

O padre que realizou a missa enfatizou a "vida dolorosa" que a generalidade dos emigrantes portugueses enfrenta nos países de acolhimento e lembrou a "ansiedade das famílias" que estão à sua espera em Portugal, especialmente por ocasião do Natal e da Páscoa.

Às cerca de 200 pessoas que assistiram às exéquias, na Igreja Paroquial, juntaram-se muitas mais que se concentravam no exterior, na praça Marquês de Pombal, tendo o cortejo fúnebre seguido para o cemitério local.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.