Fogo de Arouca alastrou ao concelho de Vale de Cambra

Outro fogo, em Águeda, está neste momento "incontrolável"

O incêndio que começou no sábado em Arouca alastrou hoje ao concelho vizinho de Vale de Cambra, onde a situação se agravou e envolve agora "quatro ou cinco frentes ativas", disse à Lusa o comandante a corporação local, Victor Machado.

A página da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), atualizada às 13:30, continuava a indicar o fogo de Arouca como o que mais meios mobilizava entre as "ocorrências importantes", assim designadas por terem "duração superior a três horas e com mais de 15 meios de proteção e socorro envolvidos".

Aquele fogo no distrito de Aveiro, que começou em Provisende de Cima, Rossas, Arouca, está a ser combatido por 274 homens, 89 meios terrestres e dois meios aéreos.

"Este incêndio ainda está bastante intenso e, durante a noite, o nosso trabalho foi praticamente defender casa a casa, porque o interface urbano-florestal em Vale de Cabra é complicadíssimo, com as habitações isoladas e muito inseridas no meio da floresta", realçou Victor Machado, comandante dos Bombeiros de Vale de Cambra.

António Alberto Gomes, vice-presidente da autarquia, revela que "os locais mais ameaçados foram a aldeia do Trebilhadouro e os lugares de Fuste e Função", todos na freguesia de Rôge, precisamente pela ruralidade dessas localidades e o isolamento das respetivas casas.

"Tem-se conseguido controlar a situação e os únicos danos até agora foram em anexos agrícolas, como alguns palheiros e arrumos", especifica o presidente da Câmara, José Pinheiro.

Também no distrito de Aveiro, outro incêndio que deflagrou hoje às 04:09 em Préstimo, concelho de Águeda, está "incontrolável" e com várias frentes ativas, colocando casas "sistematicamente em risco", disse à Lusa o presidente da Câmara de Águeda.

"Estamos a evacuar quem está acamado e aos outros o conselho dos bombeiros e da GNR é que abandonem os seus pertences e casas e saiam", afirmou Gil Nadais.

Destacando a "ventania brutal", associada às muito altas temperaturas, como a principal dificuldade encontrada no combate às chamas, o autarca afirmou que "o trabalho dos bombeiros tem sido só proteger pessoas e casas".

Segundo Gil Nadais, o fogo consumiu um armazém de materiais de construção.

O incêndio no Préstimo deflagrou às 04:09 e mobiliza neste momento 239 homens, 70 viaturas e dois meios aéreos, de acordo com a informação da página da internet da ANPC.

Estes dois fogos no distrito de Aveiro, identificados como "importantes" pela ANPC, mobilizam, no total 492 homens, 158 meios terrestres e quatro meios aéreos.

De acordo com a ANPC, os 17 fogos atualmente em curso no distrito de Aveiro eram os que mais meios mobilizavam, envolvendo 680 homens, 213 meios terrestres e quatro meios aéreos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG