Festivais terão de aumentar cuidados para controlar vírus da hepatite

Se o surto não estiver controlado até ao arranque da época, organizações e festivaleiros vão ter de tomar medidas excecionais. Desde janeiro são 199 casos notificados

Investimento no saneamento básico, água potável, casas de banho limpas, cuidados acrescidos em relação à higiene pessoal e alimentar. Estes são alguns dos conselhos dados pela Direção-Geral da Saúde para evitar o agravamento do surto da hepatite A durante o período dos festivais de verão que se realizam de norte a sul do país, isto se até lá o surto não for controlado. Para já, não está agenda nenhuma reunião com os organizadores dos festivais nem previstas medidas excecionais. Contactadas pelo DN, as organizações dizem-se atentas à situação, mas ainda não está em cima da mesa a adoção de cuidados relacionados com o vírus.

"Nos festivais, concorrem uma série de fatores que são facilitadores da amplitude de um surto. Se até lá não conseguirmos assistir a uma diminuição e, desejavelmente, um desaparecimento desta atividade epidémica, podemos ver--nos confrontados com um maior número de casos", explicou ao DN Isabel Aldir, diretora para a área das hepatites virais da DGS. Nesse caso, explica, os festivaleiros "devem adotar cuidados redobrados em relação à higiene pessoal e alimentar", nomeadamente através da lavagem das mãos sempre que manuseiam alimentos ou nas idas à casa de banho.

Já no que diz respeito às organizações dos eventos, as recomendações vão no sentido de "investirem em saneamento básico, disponibilizarem água potável, con- dições alimentares". A existir um surto nos meses em que decorrem os festivais, terá de existir um cuidado redobrado para manter as casas de banho "o mais limpas possível".

Em Paredes de Coura, as condições sanitárias vão ser melhoradas neste ano. "Seguindo uma lógica de melhoria contínua, que acontece todos os anos, já estava planeado, antes de qualquer surto, o investimento em melhorias quer na ligação de todas as casas de banho e balneários à rede de saneamento quer na existência de água potável em todo o recinto", adiantou ao DN João Carvalho, diretor do Vodafone Paredes de Coura.

José Barreiro, diretor do NOS Primavera Sound, assegura que "as condições de higiene são boas e todas as casas de banho do festival estão ligadas a redes de saneamento e têm limpeza permanente". Segundo a organização, "estas preocupações sempre estiveram na base do festival", pelo que continuarão "a ser a base, por defeito".

Já a direção do Milhões de Festa garante que está a "precaver o assunto com a Câmara Municipal de Barcelos", com a qual divide a responsabilidade da organização do festival, para perceber que medidas tomar em relação à hepatite A. "O surto é, de facto, uma preocupação nossa, como são e serão quaisquer questões de higiene e saúde que possam afetar quem venha ao Milhões de Festa", disse fonte da organização.

O DN também contactou os organizadores dos festivais Meo Sudoeste (Música no Coração), Nos Alive (Everything is New), Mêda+ Mais e Músicas do Mundo, mas não obteve resposta.

Festivais facilitam aumento do surto

A principal forma de transmissão da hepatite A é por via fecal-oral, através da ingestão de alimentos ou água contaminados, ou por contacto próximo interpessoal com pessoas infetadas. Tem estado associada também à transmissão sexual, quando um dos parceiros está infetado: sexo anal e oroanal.

Isabel Aldir diz que o elevado número de pessoas que se reúnem num festival é, desde logo, um risco. "Normalmente, as pessoas vão acampar, partilham instalações sanitárias e, embora tenham todos os cuidados, pelo número de pessoas que por ali passam o risco de transmissão é exponencial", justifica, acrescentando que " as condições de saneamento básico e de higiene pessoal e alimentar são, por vezes, mais deficitárias do que aquelas que existem em casa". Além disso, prossegue, tendem a existir mais relações sexuais. "São pessoas jovens, com atividade sexual mais elevada e todo o ambiente é facilitador para que o número de relacionamentos seja mais elevado. Como a doença pode ser disseminada por essa via, é outro aspeto a ter presente." Tudo isto torna-se relevante se o surto não for controlado até começarem os festivais.

Por agora, a responsável pela área das hepatites virais da DGS considera que as organizações dos eventos estão a ter a atitude adequada. "Estão atentos e, se for o caso, ajustam atitudes à realidade que se viva mais próxima. Ainda temos algum tempo para ver como as coisas vão evoluindo." Apesar de todas as medidas que têm sido tomadas, como sensibilização e vacinação, Isabel Aldir diz que há "imprevisibilidade", pelo que não é possível "ter noção se daqui a dois ou três meses a situação está debelada ou não".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG