Farmacêuticos disponíveis para ajudar, enfermeiros pedem centros de saúde com horário alargado

Médicos, farmacêuticos e enfermeiros disponíveis para ajudar zonas mais afetadas pelos incêndios. Gasolineira dá 7500 euros aos bombeiros

A Ordem dos Farmacêuticos disse estar disponível para participar em todas as ações que venham a ser definidas nos planos de emergência para ajudar as populações afetadas pelos incêndios deste fim de semana - alguns ainda em curso - e que mataram pelo menos 35 pessoas em vários distritos. Também a secção regional do Centro da Ordem dos Médicos apelou aos clínicos que contactem as autoridades locais para continuarem a ajudar no local. Já a Ordem dos Enfermeiros defendeu que os horários dos centros de saúde sejam alargados e que sejam colocados no terreno especialistas em saúde mental.

"A Ordem dos Farmacêuticos está a acompanhar a evolução dos incêndios que afetam várias zonas do país e que levaram o Governo a decretar o estado de calamidade pública para as regiões a norte do rio Tejo. A Ordem manifesta a disponibilidade dos farmacêuticos portugueses para participar em todas as ações que venham a ser definidas nos planos de emergência em curso e que ajudem a minimizar o seu impacto para a população, em especial no domínio do acesso ao medicamento e à assistência farmacêutica", afirmam os farmacêuticos em comunicado.

Disponibilidade semelhante foi mostrada pela secção regional do Centro da Ordem dos Médicos. "Ao longo da noite viveram-se momentos muito críticos nas urgências dos hospitais e centros de saúde, mas é de louvar o empenho e solidariedade dos nossos profissionais de saúde onde muitos, de forma voluntária, se apresentaram ao serviço para dar apoio às vítimas", afirmou Carlos Cortes, presidente da secção regional, apelando a todos os médicos "que contactem as autoridades que estão no terreno, a fim de se continuarem a prestar apoio aos que enfrentam as terríveis consequências dos incêndios".

Os sindicatos médicos fizeram saber esta segunda-feira que a greve marcada para a região centro no dia 18 foi adiada por causa das consequências dos incêndios que estão a afetar a região.

A Ordem dos Enfermeiros, por seu lado, pediu ao Ministério da Saúde o reforço de equipas de enfermeiros nos centros de saúde e hospitais, defendendo o horário dos centros de saúde seja alargado e que permaneçam abertos 24 horas por dia e ainda a presença de mais enfermeiros especialistas em saúde mental.

Solidariedade aos bombeiros

A gasolineira PRIO anunciou, através de comunicado, que "acionou os mecanismos necessários junto dos seus postos para fazer chegar às zonas com mais operacionais no terreno, cerca de 7500 euros em combustível e bens alimentares, como água, barras de cereais e bolachas".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG