Este padre é o 112 dos refugiados do Mediterrâneo

O padre Mussie Zerai, 41 anos, é natural da Eritreia e tem sido um apoio importante para migrantes que chegam aos países europeus

Mussie Zerai, 41 anos, é padre e natural da Eritreia. Vive desde 1989 na Europa, mas foi na Líbia que descobriu uma nova missão: ao fazer de intérprete para um jornalista numa reportagem sobre refugiados, deu--se conta das tragédias vividas por muitos deles. Numa prisão da Líbia, escreveu então o seu contacto numa parede: "Para qualquer emergência, ligue para este número."

A prisão albergava muitos refugiados em busca de melhor sorte do que serem vendidos por traficantes a 50 dólares (cerca de 44 euros). A partir desse momento, o telefone do padre Zerai passou a ser número de emergência para milhares de vidas. Do meio do mar, da costa africana ou já em terras italianas ou europeias, chegam-lhe pedidos de socorro de pessoas em risco de naufragar, a precisar de documentos, a pedir água ou comida... A sua ação valeu-lhe a indicação como candidato ao Nobel, no ano passado.

Nascido em 1975, Mussie Zerai saiu da Eritreia com 14 anos. Tal como o pai, que, depois de ter sido preso pela polícia política eritreia, pedira asilo em Itália, Mussie também pediu asilo. Foi ordenado padre em Itália, em 2010.

Quatro anos antes, fundara a agência Habeshia (que significa mistura), organização de apoio a refugiados. Em 2012, o padre Mussie radicou-se na Suíça, onde trabalha com emigrantes e refugiados eritreus e etíopes. Começara em 1995 a apoiar refugiados, sobretudo eritreus, o terceiro maior grupo entre os que chegam à Europa, depois de sírios e iraquianos. Em 2003, o trabalho redobrou: um jornalista pediu-lhe ajuda como intérprete, numa reportagem sobre refugiados em fuga.

Foi quando visitavam uma prisão na Líbia, cheia de vítimas de traficantes e a quererem passar para a Europa, que percebeu: "Eu não podia limitar-me ao papel de tradutor, tinha de fazer alguma coisa." Deixou, então, o seu contacto escrito numa das paredes: "Para qualquer emergência, ligue para este número."

Mussie - ou Moisés, que quer dizer "salvo das águas" - acabou por se tornar salvador de muitas vidas em risco de naufrágio no Mediterrâneo. Ainda há quinze dias, contava ele em Fafe, na semana passada, chegou um pedido de socorro do meio do mar. "Havia um barco com várias pessoas que esteve oito horas para ser socorrido. Se houvesse um dispositivo eficaz, teriam recebido socorro imediato. Com a espera, morreram duas pessoas."

O padre Zerai participou em Fafe no Terra Justa - Encontro Internacional de Causas e Valores da Humanidade. Ali recordava que a União Europeia vendeu 15 mil milhões em armas aos países do Médio Oriente. Sobre a visita do Papa a Lesbos, amanhã, diz que ela deveria provocar "uma abertura na mente e no coração" dos governantes europeus. "Hoje, para eles, são muito importantes as fronteiras, o Papa vai dizer: não, o mais importante são os seres humanos, os seus direitos, a sua dignidade, as suas necessidades, os seus sonhos. A pessoa humana, criada à imagem e semelhança de Deus, com a sua dignidade, deve estar no centro - e não a economia, as fronteiras, os lóbis que hoje fazem girar o mundo..."

Jornalista do religionline.blogspot.pt

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...