Artigo Edição XPTO

Um grupo de 18 partidos sem assento parlamentar criticaram hoje, em comunicado, a atuação da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) no país.

No comunicado, o grupo manifesta o "desagrado pela falta de audição por parte da delegação da CEDEAO dos partidos sem assento parlamentar enquanto atores políticos e tentativa de envolver a sociedade civil em pleitos políticos".

Uma missão ministerial da CEDEAO esteve no fim-de-semana passado em Bissau para avaliar a aplicação do cumprimento do Acordo de Conacri, instrumento patrocinado por aquela organização para ultrapassar o impasse político no país.

No final da missão, a CEDEAO manifestou "profunda preocupação" com a crise no país e salientou que o tempo pedido pelo chefe de Estado guineense, José Mário Vaz, para ultrapassar o impasse político não teve resultados.

"O Acordo de Conacri é um instrumento nacional e obriga apenas e só os seus subscritores e compete às entidades nacionais o seu enquadramento e aplicação", salientam os partidos.

Os 18 partidos criticam também a conduta do PAIGC e do presidente da Assembleia Nacional Popular por "incentivarem a aplicação de sanções das entidades estrangeiras contra o país e o povo" guineense.

Aqui fica uma citação

O grupo dos partidos sem assento parlamentar manifesta também apoio ao Presidente guineense e ao primeiro-ministro, Umaro Sissoco Embaló.

"O Acordo de Conacri é um instrumento nacional e obriga apenas e só os seus subscritores e compete às entidades nacionais o seu enquadramento e aplicação", salientam os partidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.