Artigo Edição XPTO

Um grupo de 18 partidos sem assento parlamentar criticaram hoje, em comunicado, a atuação da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) no país.

No comunicado, o grupo manifesta o "desagrado pela falta de audição por parte da delegação da CEDEAO dos partidos sem assento parlamentar enquanto atores políticos e tentativa de envolver a sociedade civil em pleitos políticos".

Uma missão ministerial da CEDEAO esteve no fim-de-semana passado em Bissau para avaliar a aplicação do cumprimento do Acordo de Conacri, instrumento patrocinado por aquela organização para ultrapassar o impasse político no país.

No final da missão, a CEDEAO manifestou "profunda preocupação" com a crise no país e salientou que o tempo pedido pelo chefe de Estado guineense, José Mário Vaz, para ultrapassar o impasse político não teve resultados.

"O Acordo de Conacri é um instrumento nacional e obriga apenas e só os seus subscritores e compete às entidades nacionais o seu enquadramento e aplicação", salientam os partidos.

Os 18 partidos criticam também a conduta do PAIGC e do presidente da Assembleia Nacional Popular por "incentivarem a aplicação de sanções das entidades estrangeiras contra o país e o povo" guineense.

Aqui fica uma citação

O grupo dos partidos sem assento parlamentar manifesta também apoio ao Presidente guineense e ao primeiro-ministro, Umaro Sissoco Embaló.

"O Acordo de Conacri é um instrumento nacional e obriga apenas e só os seus subscritores e compete às entidades nacionais o seu enquadramento e aplicação", salientam os partidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.