Em janeiro já foram feitos mais de 820 mil testes de rastreio

A taxa de positividade à covid-19 tem oscilado, mas no dia em que se supera as 14 mil infeções diárias é da ordem dos 16%.

Em janeiro foram realizados cerca de 820 mil testes para rastreio de casos de covid-19. A taxa de positividade é agora da ordem dos 16%. Uma taxa elevada e que está de acordo com o aumento do número de casos nos últimas semanas.

A realização de testes PCR e de antigénio é uma das armas no combate à pandemia, recentemente o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde voltou a alertar os países para a necessidade de "testar, testar e testar". O objetivo é identificar os doentes assintomáticos que até serem identificados podem estar a infetar mais pessoas. Aliás, muitos especialistas defendem que a dimensão da propagação da doença tem a ver exatamente com o facto de não se conseguir identificar em tempo útil todos os infetados.

Nesta semana, a equipa da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, que faz a modelação da doença, veio alertar para o facto de haver uma subestimação no número de casos infetados, em cerca de dois mil. Uma das razões poderia ser mesmo o facto de não se estar a aumentar o número de testes diários.

Ou seja, os doentes que desenvolvem sintomas seriam apanhados pelos cuidados de saúde, os assintomáticos continuariam a infetar sem serem detetados. Segundo explicaram ao DN, esta capacidade pode sempre aumentar desde que os laboratórios que estão a operar na testagem possam aumentar a sua capacidade.

Ao DN, o diretor de um laboratório de uma unidade hospitalar referiu que neste momento estão a fazer mais de 700 testes por dia, que há sempre hipótese de se fazer mais, mas que "há o limite humano, e isso não se consegue ultrapassar".

Fonte do Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA) referiu ao DN que, neste momento, a capacidade média de realização de testes diários tem sido da ordem dos 60 mil, embora, e de acordo com os dados divulgados no site da DGS, nos últimos dias, este número esteja um pouco abaixo. Os dados demonstram que no dia 13 de janeiro foram realizados 50 654 testes, no dia foram 14 59 220 e no dia 15 62 103, sendo este o dia com maior número de testes. Nos dias 16 e 17, sábado e domingo, o número de testes foi de 50 654 e de 31 106. Na segunda-feira, foi de 50 262.

A mesma fonte explicou ainda que a capacidade de testagem de Portugal é aferida pelo número de testes diários que os laboratórios desta rede referem ter capacidade para realizar, através do normal funcionamento desses laboratórios, sem necessidade de afetar recursos adicionais. E é neste sentido que o valor médio se situa, atualmente, em cerca de 60 mil testes diários, "o que não significa que seja esta a capacidade máxima possível de testagem do país, na medida em que se estes laboratórios tiverem a possibilidade de escalar a resposta, se lhes for possível afetar mais recursos humanos ou alargando horários de funcionamento, se necessário".

Nesta fase há 142 laboratórios a operar na rede de realização de testes, coordenada pelo INSA , "o que permitiu também passar de uma média de cerca de 12 mil testes por dia realizados em abril de 2020, para cerca de 46 mil testes por dia até dia 18 ".

Ao todo, e desde o início da pandemia, já foram realizados mais de 6,5 milhões de testes, a maioria RT/PCR, mas a estes também há a acrescentar a utilização de testes rápidos de antigénio.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG