Doentes urgentes de Tavira vão a partir de hoje para Faro

Medida foi anunciada pela Administração Regional de Saúde do Algarve

Os doentes urgentes da área de Tavira começaram hoje a ser transportados para o Hospital de Faro, em vez de irem para o Serviço de Urgência Básica de Vila Real de Santo António, anunciou a Administração Regional de Saúde do Algarve.

A Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve anunciou a alteração num comunicado, precisando que a medida começou a ser efetiva às 00:00 e permite "prestar cuidados de saúde com cada vez melhor qualidade e prontidão a todos os cidadãos presentes na região algarvia", mas sobretudo "na área do concelho de Tavira".

A mesma fonte considerou "muito importante" proceder a "alterações nos procedimentos de referenciação urgente de doentes em vigor nesta área territorial", porque até aqui todos os doentes urgentes pertencentes a Tavira eram transportados primeiro para a urgência básica de Vila Real de Santo António.

As únicas exceções eram os casos em que "intervêm os meios de Suporte Imediato de Vida (SIV) ou de Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER)", cujos doentes, caso de justificasse do ponto de vista clínico, eram levados de imediato ao Serviço de Urgência Polivalente do Hospital de Faro, precisou a ARS.

"Esta situação prejudica sobretudo os doentes (uma vez que a distância-tempo entre Tavira/Faro e Tavira/Vila Real de Santo António é semelhante, 30 minutos), uma vez que estes são muitas vezes transferidos de Vila Real de Santo António para Faro, com elevados tempos de transporte/espera, por motivos vários relacionados com a sua situação clínica", justificou a ARS do Algarve.

A entidade tutelada pelo Ministério da Saúde frisou que o transporte inicial para Vila Real de Santo António também "tem custos económicos relevantes para todos os intervenientes e, frequentemente, origina indisponibilidade de meios de transporte no concelho de Tavira" por estarem "ocupados em transferências secundárias".

Como "o Serviço de Urgência do Hospital de Faro tem capacidade e disponibilidade para receber todos os doentes urgentes, oriundos do concelho de Tavira", e "se proporciona um atendimento mais rápido e adequado dos doentes, com menor dispêndio financeiro e melhoria considerável na disponibilidade de meios de transporte urgente" nessa área, a ARS "alterou os atuais procedimentos de referenciação urgente, a partir das 00:00".

A medida foi adotada em articulação com o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e "parceiros relevantes", referiu a ARS, determinando que os doentes urgentes de Tavira passam a ser "referenciados para o serviço de urgência do Hospital de Faro", unidade pertencente ao recém-criado Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA).

A 28 de agosto, foi publicado em Diário da República o decreto-lei que alterou a designação da entidade gestora dos hospitais públicos do Algarve e que transferiu e reforçou as competências do novo CHUA.

O diploma alterou a denominação do Centro Hospitalar do Algarve (CHA) para CHUA, com o novo centro a integrar os hospitais de Faro, Portimão e Lagos, o Centro de Medicina Física e Reabilitação do Sul, localizado em São Brás de Alportel, e um polo de investigação e de ligação com a Universidade do Algarve.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.