Demitiu-se diretor de oncologia do Hospital do Barreiro

Jorge Espírito Santo diz sair por falta de condições na assistência aos doentes

O diretor do serviço de oncologia do Hospital do Barreiro demitiu-se do cargo, situação já comunicada à Ordem dos Médicos que está "muito preocupada" com a resposta aos doentes que esta instituição disponibiliza.

Jorge Espírito Santo confirmou à Lusa que está demissionário, tendo apresentado o pedido para deixar as funções de diretor do serviço de oncologia ao conselho de administração, aguardando ainda uma resposta.

Sem querer especificar as razões do seu pedido de demissão, o oncologista disse que as mesmas são a de todos os diretores de serviço que optam por esta via: falta de condições para manter o que devem ser os seus padrões de prática e assistência aos doentes.

A acompanhar o seu pedido de demissão seguiu para o conselho de administração do Centro Hospitalar Barreiro Montijo uma carta a explicar as razões desta posição, que já é do conhecimento do bastonário da Ordem dos Médicos.

Contatado pela agência Lusa, José Manuel Silva confirmou a receção da carta e mostrou-se muito preocupado com "o que se passa na oncologia e com a gestão do Hospital do Barreiro".

"Os motivos apresentados [por Jorge Espírito Santo] são muito ponderosos e não é por acaso que um dos elementos mais dedicados à oncologia naquela instituição apresenta a demissão do cargo de diretor deste serviço", disse.

Para o bastonário, as razões enumeradas pelo oncologista passam pelo "não funcionamento adequado das consultas de decisão terapêutica, má organização e falta de recursos".

A acessibilidade em tempo das consultas de oncologia e a não contratação de profissionais, mesmo quando estes estavam dispostos terão sido, segundo o bastonário, razões que levaram ao pedido de demissão de Jorge Espírito Santo.

Jorge Espírito Santo "não quer ficar ligado a uma degradação das condições assistenciais aos utentes de oncologia do Barreiro", adiantou José Manuel Silva.

A Ordem dos Médicos vai acompanhar esta situação, tendo o seu bastonário manifestado a sua "forte preocupação" com "o que se passa, a vários níveis, nesta instituição".

Questionado sobre se o que se passa ao nível da oncologia no Hospital do Barreiro põe em causa a assistência aos doentes, o bastonário é perentório: "Os doentes podem ser obviamente prejudicados".

"Quando um serviço que já está a funcionar abaixo dos limites e vê um dos seus responsáveis mais empenhado e ativo demitir-se, obviamente que os doentes podem ser prejudicados", acrescentou.

A Lusa pediu ao conselho de administração uma reação a este pedido de Jorge Espírito Santo, tendo a mesma optado por não se pronunciar.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.